Retina Desgastada
Idéias, opiniões e murmúrios sobre os jogos eletrônicos
Comunidade do SteamTwitterCanal no YouTubeRSS

31 de julho de 2021

A Grande Lista das Trilhas Gratuitas - Edição 2021

(originalmente publicada em 2010 - atualizada em 2012, 2015, 2017, 2019 e agora)

Pela primeira vez na internet brasileira (eu acho), uma lista gigante de trilhas sonoras oficiais de jogos oferecidas legalmente para download gratuito. Trilhas que foram removidas da internet por questões de direitos autorais, negligência de seus detentores ou encerramento de servidores não aparecem mais na lista. A cada nova republicação, a lista encolhe mais um pouco, então não perca a oportunidade de baixar agora aquilo que te interessa.

Recentemente, o Firefox removeu o suporte nativo ao protocolo FTP. Isso significa que não é mais possível acessar diretórios FTP a partir de um navegador web. Para navegar e baixar por alguns desses endereços abaixo, você irá precisar de um cliente FTP. Minha recomendação é pelo gratuito Filezilla.

Todos os downloads do Steam podem ser realizados sem precisar comprar o jogo base. Os arquivos de música podem ser encontrados, depois da instalação, na pasta do Steam, no subdiretório \steamapps\music\.

MDK https://archive.org/details/mdktrack04
Carmageddon https://archive.org/details/carmageddon_soundtrack
Mafia: Definitive Edition https://store.steampowered.com/app/1421480/Mafia_Definitive_Edition_Soundtrack/
The Medium https://store.steampowered.com/app/1409690/The_Medium_Original_Soundtrack__Free_Tracks/
Rune II https://store.steampowered.com/app/974540/RUNE_II_Official_Soundtrack/
PixARK https://store.steampowered.com/app/1449740/PixARK_Soundtrack/
Viscera Cleanup Detail https://store.steampowered.com/app/386860/Viscera_Cleanup_Detail__Soundtrack/
Blue Fire https://store.steampowered.com/app/1546020/Blue_Fire__Original_Soundtrack/
Children of Morta https://store.steampowered.com/app/1556830/Children_of_Morta_Family_Fireside_Fables/
XCOM: Enemy Unknown https://michaelmccann.io/projects/xcom-enemy-unknown-soundtrack/
OSK https://store.steampowered.com/app/1210950/OSK__Soundtrack/
Kingdom Under Fire: The Crusaders https://store.steampowered.com/app/1248070/Kingdom_Under_Fire_The_Crusaders__Soundtrack/
Postal https://store.steampowered.com/app/1308030/Music_to_go_POSTAL_By/
Unruly Heroes https://store.steampowered.com/app/1165650/Unruly_Heroes__Soundtrack/
SUPERHOT: MIND CONTROL DELETE https://store.steampowered.com/app/1261380/SUPERHOT_MIND_CONTROL_DELETE_Soundtrack/
The Dota 2 Remixes EP https://store.steampowered.com/app/652720/The_Dota_2_Remixes_EP/
Dying Light https://store.steampowered.com/app/798540/Dying_Light_Original_Soundtrack
Scythe https://store.steampowered.com/app/893130/Scythe_Digital_Edition__Soundtrack/
Master of Orion https://store.steampowered.com/app/468020/Master_of_Orion_Soundtrack__Score/
7 Billion Humans https://tomorrowcorporation.com/7-billion-humans-soundtrack
Human Resource Machine https://tomorrowcorporation.com/human-resource-machine-soundtrack
Dragon Age: Inquisition (Tavern Songs) http://assets.dragonage.com/content/tavern_songs/TavernSongs_ENG.zip
Zombotron http://www.zombotron.com/ThePlanetZombotron-AlexanderAhura.zip
The Tiny Bang Story http://web.archive.org/web/20121123130120/http://www.colibrigames.com/public/the_tiny_bang_story_ost.zip
Mercenary Kings https://patricebourgeault.bandcamp.com/album/mercenary-kings-original-soundtrack
Just Cause 2 http://eidos.http.internapcdn.net/eidos_vitalstream_com/jc2/ost/JC2_OST_MP3.rar
Doom https://www.fileplanet.com/archive/p-22611/Doom-OGG-Vorbis-Soundtrack
Sin https://www.fileplanet.com/archive/p-29502/Sin-Soundtrack-Remix
Deathspank https://web.archive.org/web/20140926084715/http://deathspank.com/soundtrack/deathspank_ost.zip
Double Dragon Neon https://virt.bandcamp.com/album/double-dragon-neon
Canabalt https://dbsoundworks.bandcamp.com/album/canabalt-soundtrack-ringtones-pack-w-bonus-fathom-megamix
Crayon Physics Deluxe https://www.kloonigames.com/blog/wp-content/uploads/2009/01/crayon_soundtrack.zip
Splinter Cell: Double Agent http://www.behaviormusic.com/projects/splinter-cell-double-agent-soundtrack/
Star Control 2 (remixes oficiais) http://www.medievalfuture.com/precursors/music.php
Bloodrayne: Betrayal https://virt.bandcamp.com/album/bloodrayne-betrayal-official-soundtrack
Dragon Commander https://music.kirillpokrovsky.de/DragonCommanderOST.zip
Divinity II: Ego Draconis https://music.kirillpokrovsky.de/divinity2.zip
Beyond Divinity https://music.kirillpokrovsky.de/beyonddivinity.zip
Divine Divinity https://music.kirillpokrovsky.de/divinedivinity.zip
Divinity: Original Sin https://music.kirillpokrovsky.de/Divinity_Original_Sin_-_Musica_Divina.zip
Arcanum: Of Steamworks and MagickF Obscura http://www.terra-arcanum.com/sierra/media/media-soundtrack.html
Ultima V http://lazarus.thehawkonline.com/music.html
Cargo: The Quest for Gravity http://www.game-ost.com/albums/4198/cargo__official_soundtrack/
De Blob 2 http://www.game-ost.com/albums/4702/de_blob_2_soundtrack/
Deus Ex: Human Revolution https://archive.org/details/DeusExHumanRevolutionSoundtrackFlac
Space Engineers ( Alpha Soundtrack) https://archive.org/details/space-engineers-original-sound-track
Death to Spies http://www.game-ost.com/albums/821/death_to_spies_moment_of_truth_(smert_shpionam_moment_istini)_soundtrack_(g-ost_exclusive)/
Death to Spies: Moment of Truth http://www.game-ost.com/albums/820/death_to_spies_(smert_shpionam)_soundtrack_(g-ost_exclusive)/
Worms World Party https://archive.org/details/WormsWorldPartyoriginalVideoGameSoundtrackByBjrnLynne320kbps
The Chronicles of Riddick: Escape from Butcher Bay https://www.fileplanet.com/archive/p-64538/The-Chronicles-of-Riddick-Soundtrack
A Story About My Uncle https://gonenorthgames.bandcamp.com/album/a-story-about-my-uncle-ost
Meridian 59 http://www.meridian59.com/music/
Atriarch http://www.atriarch.com/downloads/downloads.html
The Elder Scrolls IV: Oblivion https://www.fileplanet.com/163852/160000/fileinfo/Elder-Scrolls-IV:-Oblivion---All-Original-Music-Score
Neocron https://www.fileplanet.com/112546/download/Neocron-Soundtrack
Samorost 3 (Pre Remixes) https://innerfx.bandcamp.com/album/samorost3-pre-remixes-ep-free-dwnld
Samorost 2 https://innerfx.bandcamp.com/album/samorost-2-soundtrack-free-dwnld
Ultima Underworld 2 http://stygian.ttlg.mobi/uw/music/uw2.htm
Crusader: No Remorse e Crusader: No Regret http://www.ttlg.com/jukebox/crus/ (formato .mod)
Anachronox http://www.ttlg.com/jukebox/anox/
Men of War: Vietnam http://www.game-ost.com/albums/6522/men_of_war_vietnam_original_soundtrack_promo/
World of Tanks https://worldoftanks.com/pt-br/news/general-news/1_0_music_tracks/
World of Warplanes http://worldofwarplanes.com/en/content/music/
Mass Effect 3 - Main Game e Citadel DLC https://masseffectarchives.com/en_US/me3_downloads
Bleed http://bootdiskrevolution.bandcamp.com/album/bleed-ost
Dungeons and Dragons Online http://www.ddo.com/en/content/soundtrack
Runescape https://archive.org/details/runescape-music
Little Inferno http://tomorrowcorporation.com/little-inferno-soundtrack
Anarchy Online http://ftp.funcom.com/press/ANARCHY_ONLINE/MUSIC/Anarchy%20Online%20Music%20Collection/
Machinarium(Bônus EP) https://innerfx.bandcamp.com/album/machinarium-soundtrack-bonus-ep-free-dwnld
Castle Crashers http://www.newgrounds.com/playlists/view/d62b3bece0125e4ab49c9662429c8833
Star Wars: The Old Republic http://www.swtor.com/info/news/news-article/20111201
Torchlight II http://www.torchlight2game.com/download/soundtrack
Afterfall: InSanity http://www.game-ost.com/albums/25775/afterfall_insanity_original_soundtack_-_extended_edition/
Dear Esther (mod) http://www.moddb.com/mods/dear-esther/downloads/dear-esther-soundtrack
Cave Story+ http://www.cavestory.org/downloads_music.php
Aquanox 2: Revelation http://www.reflex-studio.com/_projects/an2_text.htm
Cthulhu Saves the World http://binbag.superfundungeonrun.com/CStW_OST.zip
Flock http://static.capcom.com/flock/FLOCKsoundtrack.zip
Geometry Wars (megamix) http://media.libsyn.com/media/godfree/46860_choices.mp3
E.Y.E.: Divine Cybermancy http://eye.streumon-studio.com/index.php?page=music
Half-Life https://store.steampowered.com/app/323130/HalfLife_Soundtrack/
Half-Life 2 https://store.steampowered.com/app/323140/HalfLife_2_Soundtrack/
Portal https://store.steampowered.com/app/323170/Portal_Soundtrack/
Portal 2 http://media.steampowered.com/apps/portal2/soundtrack/Portal2-OST-Complete.zip
Mount & Blade: With Fire and Sword https://www.fileplanet.com/219883/210000/fileinfo/Mount&Blade:-With-Fire-and-Sword-Soundtrack
Bulletstorm https://www.fileplanet.com/219615/download/Bulletstorm-Soundtrack
Cities in Motion https://www.fileplanet.com/218930/210000/fileinfo/Cities-in-Motion-Soundtrack
Minecraft https://www.fileplanet.com/archive/p-16150/MineCraft-Soundtrack
Evochron Mercenary https://www.fileplanet.com/216246/download/Evochron-Mercenary-Soundtrack
The Void http://www.tension-game.com/thevoid_bonus.torrent
Greed: Black Border http://media.steampowered.com/apps/46400/Greed_Original_Soundtrack_MP3.rar
Shank https://www.fileplanet.com/215856/210000/fileinfo/Shank---Official-Soundtrack
Perpetuum Online https://music.perpetuum-online.com/
Zeno Clash http://www.fileplanet.com/212279/210000/fileinfo/Zeno-Clash-Soundtrack
Stargunner http://www.fileplanet.com/135532/130000/fileinfo/Stargunner-Soundtrack
Warcraft 3 http://www.fileplanet.com/156138/150000/fileinfo/Warcraft-3---Mp3-Mega-Pack
Shadow Ops ftp://ftp.atari.com/mp3/shadowops/
Slave Zero ftp://ftp.atari.com/mp3/slavezero/
Split/Second https://www.fileplanet.com/216344/210000/fileinfo/Split/Second-Soundtrack
Interstate 76 http://www.interstate76.com/download/i76audio.htm
Company of Heroes http://media.steampowered.com/apps/4560/Company%20of%20Heroes%20_%20All%20Heroes%20Rise.rar 
e
http://media.steampowered.com/apps/4560/Company%20of%20Heroes%20_%20Songs%20From%20the%20Front.rar
Grim Fandango http://www.grimfandango.net/index.php?page=soundtrack
System Shock https://www.systemshock.org/index.php?topic=2285.0
System Shock 2 https://www.systemshock.org/index.php?topic=1658.0
Terra Nova http://www.ttlg.com/tnova/music/
Ultima Underworld http://stygian.ttlg.mobi/uw/music/uw1.htm

Série Oddworld

http://oddworldlibrary.net/archives/oddtunes/
World of Goo http://kylegabler.com/WorldOfGooSoundtrack/
Dawn of War II https://www.fileplanet.com/199365/190000/fileinfo/Warhammer-40,000:-Dawn-of-War-2---Official-Soundtrack
S.T.A.L.K.E.R. http://files.gsc-game.com/st/stk-soundtrack.zip
Blood http://files.deathmask.net/sounds/mp3s/
Fallout 1 & 2 (Remastered) http://www.archive.org/download/AURAL01/AURAL01-Mark_Morgan_-_Vault_Archives.zip
Série Legacy of Kain http://www.thelostworlds.net/LoKSeries/Soundtracks.html
Série Tomb Raider http://www.tombraiderchronicles.com/soundtrack/index.html
Myth 3 http://www.fileplanet.com/80877/80000/fileinfo/Myth-III:-The-Wolf-Age-Sound-Track-Music
Zombie Driver http://www.fileplanet.com/210172/210000/fileinfo/Zombie-Driver-Soundtrack
AION http://www.fileplanet.com/206499/200000/fileinfo/AION----Official-Music-Soundtrack
The Witcher https://www.fileplanet.com/191951/190000/fileinfo/The-Witcher-Enhanced-Edition-Soundtrack
Unreal Tournament III https://www.moddb.com/games/unreal-tournament-3/addons/unreal-tournament-iii-soundtrack
EVE Online http://www.modenstudios.com/EVE/music/
Men of Valor http://www.fileplanet.com/144628/140000/fileinfo/Men-of-Valor-Soundtrack
Deus Ex https://archive.org/details/deus_ex_soundtrack
Deus Ex 2 http://www.fileplanet.com/139383/130000/fileinfo/Deus-Ex:-Invisible-War-Soundtrack
Immortal Cities: Children of the Nile http://www.fileplanet.com/148784/140000/fileinfo/Immortal-Cities:-Children-of-the-Nile-Soundtrack
Série Wing Commander http://www.wcnews.com/music/
Unreal https://archive.org/details/unreal_soundtrack
Dune 2000 http://dune2k.com/Duniverse/Games/Dune2000/Downloads/Audio
Unreal 2 http://www.fileplanet.com/133463/130000/fileinfo/Unreal-II-Original-Soundtrack-Remix
Republic Commando http://www.clonecommandos.net/RepCom_Music.zip
Beyond Good and Evil http://www.stormeffect.com/beyond/BGE_Nintendo_OST.rar
Auto Assault http://www.fileplanet.com/166740/160000/fileinfo/Auto-Assault-Soundtrack
Osmos http://createdigitalmusic.com/2010/03/01/exclusive-free-soundtrack-osmos-featuring-gas-julien-neto-loscil-high-skies/


Considere esta lista como um ponto central do Retina Desgastada: novos links serão acrescentados aqui no futuro e comentários são mais do que bem-vindos. Lembrando a todos que NÃO estão incluídos links piratas ou ilegais, apenas material coletado de sites oficiais, portais de jogos ou sites estabelecidos feitos por fãs e apoiados pelos desenvolvedores/compositores.

Se algum dos links acima estiver quebrado, por favor, informe!

Ouvindo: Lodoss War - Voice of Elf

23 de julho de 2021

Saindo do Ninho

Poucas jornadas poderiam ser mais completas no mundo dos jogos do que o arco de Clementine. De criança frágil e órfã com um pai acidental em The Walking Dead a guerreira protetora, mãe acidental em The Walking Dead: The Final Season. É uma personagem que literalmente vimos crescendo, adotando como nossa em uma série de títulos que marcaram sua geração. Curiosamente, Clementine era uma ovelha negra dentro de seu próprio universo: a personagem nunca tinha aparecido nas revistas de The Walking Dead, era exclusiva dos jogos da Telltale.

Até agora.

Alerta de spoilers para quem não jogou o último jogo.

clementine

A editora Skybound, responsável pela franquia, anunciou uma trilogia de graphic novels trazendo a personagem para o futuro do universo dos zumbis. Clementine: Book One chega ao mercado em junho de 2022, inaugurando um novo selo da editora, focado no público juvenil do Ensino Médio.

Uma história curta publicada na revista Skybound X faz a ponte entre o final do último jogo e a trilogia em quadrinhos que virá. O tempo passou, as hordas de mortos-vivos são menos numerosas e os sobreviventes estão se organizando em comunidades menos agressivas e mais colaborativas. O pior do apocalipse zumbi já passou, mas agora é a hora de Clementine se despedir de AJ. A escola é o lar perfeito para o garoto, mas não para ela. Clementine sente o chamado da estrada e decide deixar tudo para trás para encontrar a si mesma no Norte selvagem.

clementine-02

Tillie Walden, que assume roteiro e arte dessa nova etapa na vida de Clementine, tem um currículo impressionante. Ela já recebeu o prêmio Eisner de Melhor Trabalho Baseado em Realidade, em 2018, por sua graphic novel Spinning. A condecoração a tornou a mais jovem artista da história a receber um Eisner, com apenas 22 anos.

Ainda assim, Walden tem pela frente a cruel tarefa de continuar aquilo que foi encerrado com precisão e delicadeza pela Telltale Games. A iniciativa partiu da autora, que enviou para a Skybound uma proposta de trilogia. O material foi aceito pela editora sem ressalvas. Ao meu ver, a ruptura iniciada nesse prólogo não é tão bem conduzida quanto precisava ser. Dizer adeus a AJ em nome de uma série solo não é um bom início.

A perspectiva de removerem minha Clementine de sua merecida conclusão rumo a novas aventuras me parece um risco desnecessário, mesmo não tendo jeito de caça-níquel. Ademais, existe a estranheza de, pela primeira vez, não determinar os caminhos que Clementine irá tomar ou suas decisões. Entretanto, não somos os verdadeiros donos dos personagens que nos cativam, apenas em vontade. Clementine agora pertence ao mundo.

Tome conta dessa menina, por favor.

Ouvindo: Suspiria - Assassin Soul

16 de julho de 2021

Shinjū

silent-hill-2

O impressionante Silent Hill 2 esteve na minha mira por um longo tempo no PC. Lembro claramente quando, depois de procurar incessantemente, esbarrei no jogo vendendo em versão pirata em um camelô em um bairro onde não deveria estar, atendendo a uma reunião que pouco rendeu. Voltei para casa com um tesouro. Entretanto, um dos quatro discos estava com defeito e foram outros longos meses até encontrar o jogo novamente na internet em P2P. Eram tempos estranhos. Até hoje, é impossível encontrar essa pérola da Konami na plataforma sem mergulhar em uma jornada obscura.

Lembro também da imersão proporcionada como jamais tinha visto antes. Lado a lado com James, me esgueirei por aqueles corredores imundos. Ao contrário dele, percebi gradativamente a armadilha da mente, o que tudo aquilo significava: James Sunderland, meu protagonista, meu avatar naquele mundo grotesco, era culpado até a raiz de sua alma pela morte de sua esposa doente. Impaciente com seu estado terminal, ele praticou uma eutanásia mais motivada por seus desejos egoístas do que pela compaixão. Apesar do horror, conduzi James com piedade no coração até aquele que talvez seja o melhor final de Silent Hill 2.

O que eu não esperava era que quase duas décadas depois de minha viagem (a memória agora tão enevoada quanto a cidade do julgamento), o acaso me colocaria de frente com uma informação que muda minha percepção do jogo e de James.

Em um tuíte publicado em 2012, Masahiro Ito, diretor de arte de Silent Hill 2 declarava textualmente: "o corpo de Mary está no banco traseiro do carro de James, não no porta-malas, se eu me lembro corretamente".

Todo aquele tempo.

Todo aquele tempo. Não três anos antes, como James afirma ou se recorda, mas uma questão de dias, ou horas. Esse era o período que realmente separava o culpado de sua vítima. Já era evidente antes que o protagonista não era um narrador confiável, que a carta estava em branco, mas nunca me passou pela cabeça que a carta fosse impossível de existir ou que James estivesse em um processo de negação tão profundo.

Essa afirmação é comprovada por um diálogo dentro do jogo, quando James menciona o aniversário de oito anos de Laura, como Mary teria enviado um cartão dando os parabéns para a menina, ciente de que não estaria viva para fazer isso pessoalmente. Laura rebate que seu aniversário foi uma semana antes, para um confuso James que se questiona, talvez pela única vez, se Mary tinha morrido mesmo três anos no passado.

Guy Cihi, dublador de James, comentou o contexto do jogo em um playthrough e reiterou que Mary estava no carro, uma referência ao ritual do Shinjū, lamentavelmente comum na cultura japonesa. O duplo suicídio forçado seria uma forma de James e Mary se reencontrarem no pós-vida. Exceto que aqui James teria recuado em sua decisão e não teria tomado a própria vida. Atormentado pelo ato, incapaz de seguir em frente, ele viaja para Silent Hill para cumprir seu destino e é nesse ponto que entra o jogador.

Silent Hill 2 é uma obra com múltiplas camadas, que mexe com abismos muito mais profundos do que ameaças cósmicas do limiar da realidade. É um jogo que lida com os porões da mente humana, da culpa, da dor, do egoísmo, um Crime e Castigo da Era Eletrônica que ainda nos apresenta um aspecto macabro e doentio da sociedade oriental, sem alienar seu público ocidental. Um pesadelo que nunca cessa. Um jogo jamais ultrapassado.

Todo aquele tempo.

Ouvindo: Therapy - A Moment of Clarity

11 de julho de 2021

Jogando: Salt

salt-03

Diário de bordo, 28E, 18S:

"Frustrado com minhas experiências em Risen 2, lembrei de outro jogo que tinha em meu acervo com temática pirata, mas um vasto mundo aberto para ser explorado em busca de tesouros. Não, não era Sea of Thieves. Era Salt, um infinitamente mais modesto título independente que eu havia testado em uma versão demo, no agora distante ano de 2015.

Por fora, Salt é um daqueles jogos de sobrevivência em que você precisa coletar recursos, construir coisas, tomar cuidado para não morrer por causa de necessidades básicas ou inimigos aterrorizantes. Na prática, ele está muito mais próximo da vibe de Minecraft: um título para ser apreciado sem stress, no seu ritmo, sem grandes ameaças. Não por acaso, a trilha sonora principal de Salt é o barulho das ondas e das gaivotas, intercortada em alguns raros momentos com uma música suave e sutil que lembra muito o que a Mojang atingiu com seu título. Às vezes, a música sobe para batalhas ou para trazer um clima épico no mar profundo, intervenções que contribuem para pontuar esses momentos, mas que não chegam a subir a adrenalina.

A grande verdade é que Salt é um jogo que traz paz e não assombro. Esse horizonte é evidenciado também em suas cores vibrantes, como se um Sol tropical beijasse o solo com graciosidade. Quase dá para sentir a pele bronzeando. Em Salt, o verde é mais verde, o azul é mais azul, o mar é mais mar do que em muitos jogos. Com reverência e um leve temor, jogamos nossa jangada nas ondas e manobramos o barco em busca da ilha seguinte. Mesmo quando se obtém uma caravela pirata, não é possível se sentir conquistando o oceano, apenas obtendo um pouco mais de conforto e segurança em meio à vastidão oceânica. Somos convidados dessa beleza, nunca seus mestres.

salt-04salt-07

salt-06

Mecanicamente, porém, Salt está bem distante de Minecraft ou da maioria dos jogos de seu nicho. O jogo não nos oferece a possibilidade de se erguer construções de qualquer tipo. Somos nômades, explorando um mar que não tem fim, com ilhas geradas proceduralmente. No máximo, é possível construir ou melhorar barcos, mas nada que possa ser comparado à complexidade de um Raft. O resto dos elementos fabricáveis são apetrechos que carregamos, vestimentas ou alimentos. O foco de Salt está mesmo na exploração, no girar dos dados de cada ilha, que pode conter surpresas ou recursos necessários para seguir viagem.

O combate, quando existe, é simples e pouco desafiador. Isso pode frustrar alguns jogadores, mas acredito que seja mais uma vela que impulsiona uma experiência que se deseja exploratória. A noite pode trazer inimigos que dão sustos, mas também pode ser facilmente evitada com uma boa fogueira. Não há lutas obrigatórias ou que não possam ser evitadas correndo. Se uma ilha está perigosa demais (?), sempre é possível navegar até a próxima.

salt-02

Sem me dar conta, completei doze horas nesse universo, sem chegar a lugar algum. Até porque Salt é um título tão infinito quanto seu mapa. Há inimigos gradualmente mais fortes, mas também há equipamentos gradualmente mais fortes. Com paciência e sorte, você pode encontrar missões e correr atrás desses objetivos, um norte mais nítido do que havia em Minecraft ou na maioria dos títulos de sobrevivência, entretanto, na maior parte do tempo, você estará apenas deixando se levar, como uma onda no mar. Depois da primeira dezena de horas, há coisas que não vi, mas também houve muitas coisas que vi muitas vezes, o que acaba cansando.

Atingida minha zona de conforto, com um galeão próprio, bem iluminado, com cama, equipamento satisfatório e nenhuma morte nessas doze horas, fiquei tentando imaginar o que poderia estar na próxima ilha que justificaria minha permanência em Salt. Não me arrependo de nenhum minuto gasto sob esse Sol causticante, porém não encontrei motivos para perseguir esse horizonte.

Deixo por aqui essa aventura e esse pergaminho, a ser encontrado por novos aventureiros."

Comandante Aquino

Ouvindo: Bruce Dickinson - Sacred Cowboys

10 de julho de 2021

Modificando: Risen 2

Embora Risen 2 tenha recebido um destino inglório, naufragando minhas expectativas sobre projetos posteriores da Piranha Bytes, é necessário dedicar ainda alguns minutos de homenagem aos esforços da comunidade modder que tornou minha passagem pelo jogo menos sofrida. Há terríveis bugs gráficos no título que a desenvolvedora jamais consertou, mas o trabalho voluntário de programadores quase anônimos resolveu.

O melhor caminho para se instalar mods no jogo é através do cliente Risen 2 - ModStarter, disponível gratuitamente para download. A ferramenta é bastante prática: ela se conecta automaticamente a um banco de dados de modificações conhecidas e aprovadas do jogo e permite que você selecione quais delas deseja executar junto do RPG. Na primeira execução, é bem provável que você tenha que apontar onde Risen2.exe está instalado (normalmente em \\Steam\steamapps\common\Risen 2\system). Depois disso, não será mais necessário.

image

Todos os mods que ativei já estão marcados na imagem e contém uma descrição (em inglês) do que eles fazem. Porém, segue minha lista:

  • R2.E.T PACK: É um pacote de texturas em alta resolução que melhoram a aparência geral do jogo.
  • Unofficial Patch: Corrige pequenos problemas do jogo que passaram por baixo dos radares da desenvolvedora nesses quase dez anos de vida de Risen 2. Como o seguro morreu de velho, não custa nada instalar para evitar possíveis dores de cabeça.
  • Dynamic Torchlight Mod: Como o nome já diz, adiciona iluminação dinâmica às tochas do jogo, projetando sombras mais vívidas. Ajuda bastante na imersão.
  • LoD Distance Mod: Amplifica o campo de visão carregado pelo jogo. Como todo jogo da Piranha Bytes, ele é graficamente intenso em seu lançamento e artificialmente limita o quanto é exibido na tela na distância. Oito anos depois, você provavelmente já tem uma GPU capaz de enxergar até o infinito em Risen 2.
  • AntiWarp Ultra: possivelmente o único mod essencial da lista. O RPG tem um sistema que carrega árvores e folhagens na medida em que você vai se aproximando delas, para aliviar a performance. Entretanto, o efeito é extremamente perturbador, com árvores crescendo ou encolhendo de acordo com sua distância. Esse mod desativa essa função, sem prejuízo de performance para configurações modernas.

Eu escolhi não instalar o último mod, No Parallax Occlusion Mapping Mod, porque tudo que ele oferece é um ganho de performance irrisório em troca de uma degradação visual imperceptível, então não vi sentido na instalação.

Lamentavelmente, não há mod ou patch que conserte as sombras que saltam de lugar dentro do jogo, um problema que não atinge todos os jogadores, mas que me custou um pouco de irritação até aprender a ignorar.

Depois de você selecionar os mods que deseja do ModStarter, não se esqueça de clicar no botão Integrate Mods para ativá-los. Após essa etapa, não será mais necessário rodar o cliente e você pode abrir o jogo diretamente pelo Steam.

Ouvindo: Butthole Surfers - Gary Floyd (live)

7 de julho de 2021

(não) Jogando: Risen 2 - Dark Waters

risen-2-25

Demorei 27 horas em vários meses, entre idas e vindas, tempestades e calmarias, para perceber que continuava em Risen 2 movido tão somente pela inércia e pelas glórias passadas lado a lado com a Piranha Bytes. Em nome do que vivemos juntos no primeiro Risen e em nome dos grandes tempos da franquia Gothic, eu buscava ali um lampejo da imersão de seus jogos anteriores, ria de seus gracejos com mais um protagonista sarcástico e aguardava aquelas batalhas épicas ou aqueles territórios mágicos lotados de segredos. Enquanto isso, lutava contra seu mais obtuso e preguiçoso sistema de combate já criado, um loot desinteressado no limiar para me manter entretido em busca do próximo e me confrontando com representações próximas da controvérsia do colonialismo europeu.

No final das contas, o golpe de misericórdia foi uma batalha que não conseguia vencer. Faz parte da fórmula sagrada da desenvolvedora alemã não pegar o jogador pela mão, mas trazer para a tela um universo bem abrangente que convida ao improviso, um mundo que reage à inventividade de quem aceita esse desafio. Em outras palavras, quando uma abordagem mais direta, de peito aberto, não funcionava, sempre era possível contornar obstáculos, engatilhar uma malandragem, burlar suas regras, ou pura e simplesmente aprimorar seus atributos para uma vitória menos árdua.

risen-2-15risen-2-44

Desta vez, nada disso importava. Ou tinha eu tomado o infame caminho sem volta dos RPGs desbalanceados, no qual uma série de decisões impensadas do jogador evoluem o personagem da forma errada, ou a Piranha Bytes tinha mesmo cometido um erro irreparável ao não avaliar todas as opções de um jogador. Havia eu gastado pontos demais em vodu e pontos de menos em armas de fogo? Havia investido demais em perícias de ladrão e deixado de lado o aprendizado de combate corpo a corpo? Não deveria a desenvolvedora estar preparada para uma eventualidade dessas ou teriam seus criadores se esquecido de lições aprendidas com seus próprios trabalhos anteriores?

Tentar diversas formas de passar daquele ponto e esbarrar na tela de carregar o save de novo e de novo me ajudaram a colocar minha experiência em perspectiva. Havia muito tempo que eu queria começar essa análise, estabelecer pelo menos um "Primeiras impressões", mas o momento nunca parecia apropriado. Duas dezenas de horas depois estava evidente o motivo de não ter feito isso antes: Risen 2 nunca estava pronto, nunca saía de um tutorial contínuo, em que o protagonista nunca parece atingir o seu potencial pleno, permanentemente rastejando pelos cantos, evitando perigos e evoluindo habilidades e equipamentos a conta-gotas.

Piratas do Caribe

Uma das principais reclamações a respeito do jogo é sua ambientação com temática pirata. Não passei por essa repulsa. Na verdade, curti a mudança de paradigma, a quebra da enxurrada de RPGs sobre fantasia gótica que enxameia o gênero. Empacado com Risen 2, procurei um pouco de alento em Salt, um jogo de sobrevivência também sobre piratas.

Talvez minha única reclamação seja a ruptura abrupta com o que vimos anteriormente no primeiro Risen. É gritante o salto "cronológico" entre os dois títulos. De uma hora para outra (e acredito que tenha se passado no máximo um par de anos para o protagonista), toda a sociedade foi reestruturada. Armamento, tecnologias, o abandono da magia, vestuário, até mesmo o sistema político parece dois, três séculos à frente, sem nenhuma explicação além de "a Inquisição baniu o uso da Magia". A descoberta da pólvora deve ter sido mesmo uma revolução nesse cenário.

Tivesse sido Risen 2 um jogo com outro nome teria feito mais sentido. Porém, como dez anos (!) separaram esse jogo da minha experiência com o primeiro Risen, a transição foi bem suave.

risen-2-04risen-2-13

risen-2-29

Encontramos então o Herói Sem Nome (outra marca registrada da Piranha Bytes) integrado à Inquisição. É o mesmo grupo que tentou matá-lo no passado e cujo ataque lhe custou um olho, mas nenhum dos eventos parece guardar qualquer importância na narrativa. O núcleo dessa nova aventura será mesmo Patty, a coadjuvante pirata do jogo anterior. O pai dela guarda um segredo fundamental para derrotar Mara, a Titã dos Mares que ameaça destruir o Império, que depende dos oceanos para comércio e comunicação. O despertar dos Titãs é apenas mencionado rapidamente aqui, então, se você não jogou o primeiro Risen, não terá dificuldade para acompanhar a história dessa continuação que não é bem uma continuação.

A partir daí temos o que pode ser chamado de o RPG mais aberto da desenvolvedora até aquele momento. Existem regiões enormes para serem exploradas e, a partir de determinado ponto do enredo, você pode até mesmo visitar essas regiões na ordem que desejar. No seu caminho, haverá piratas amigos e inimigos, tribais estereotipados que parecem saídos de um livro de Tarzan, soldados da Inquisição e algumas feras estranhas e monstros, porque não seria um RPG com a marca Piranha Bytes se nem isso tivesse.

Ao contrário de jogos anteriores, em que era fundamental escolher uma entre diferentes facções para se aliar (e lidar com as consequências dessa escolha), aqui o ponto de decisão demora muito para acontecer e, para ser honesto, é desequilibrado. Se você mantiver sua aliança com a Inquisição, terá acesso a armas de fogo melhores e condenará sua experiência a uma sucessão de trocas de tiro que, por um lado, facilitam bastante os confrontos, mas, por outro lado, tornam o combate repetitivo e bem distante dos RPGs tradicionais. Se você decidir se aliar com os nativos, o que deveria ser encarada como a escolha ética, se você se importa com esse tipo de coisa em um cenário de fantasia, então você terá acesso a habilidades exóticas de vodu, que são muito pouco exploradas no jogo, tem pouco peso no combate direto, mas adicionam um diferencial muito interessante à experiência. A impressão que fica é que Risen 2 foi feito para armas de fogo e que a opção do caminho do vodu foi adicionado depois.

Obviamente, optei pelo caminho do vodu. É uma pena que o jogo só me permita utilizar determinados rituais em momentos específicos e sua árvore de habilidades só seja disponibilizada depois que investi muitos pontos em outras direções.

risen-2-37risen-2-41

Esse Navio Está Fazendo Água

Tecnicamente falando, Risen 2 exige paciência. Os gráficos do jogo precisaram de bastante ajuste e pesquisa na internet para que fiquem satisfatórios. Ainda assim, precisei me acostumar com um bug incorrigível: as sombras projetadas "saltam" de posição de tempos em tempos, o que pode até gerar tontura até a vista se adaptar. Alguns mods consertaram outros inconvenientes, mas esse problema da sombra me acompanhou por todo o percurso.

A mecânica de combate praticamente te força para atirar e se afastar. Para você atingir algum nível de proficiência em luta de espada, é preciso desbloquear quase que técnica a técnica, o que exige pontos de experiência, uma boa quantia em ouro e encontrar um professor. São exigências que já tinham sido empregadas antes em Risen ou na franquia Gothic, mas aqui parecem mais taxativas, ou por que a distribuição de pontos é mais desigual ou porque o ouro é escasso ou porque são perícias demais com professores espalhados pelos quatro cantos do império. É comum também desbloquear uma habilidade com sacrifício apenas porque o jogo te obriga ou descobrir que ela não era tão útil assim. Um sistema de zerar e recomeçar a árvore de habilidades, por bruxaria talvez, teria tornado tudo mais agradável.

Então, combinando esquiva, golpes calculados, tiros e malícia, foi possível vencer todas as criaturas que encontrei. O mesmo não podia ser dito dos oponentes humanos. Qualquer inimigo armado transformava a luta em uma troca de tiros sem sal e geralmente injusta ou um duelo de espadas em que o inimigo sempre tinha perícias que eu não tinha. Dois inimigos armados eram uma garantia de morte para mim e exigia uma abordagem bem cuidadosa.

A fórmula refinada da Piranha Bytes costumava seguir o fluxo de um início íngreme que precisava pesar bem as lutas em que se envolvia, mas culminava em um personagem poderoso capaz de dizimar legiões. Quase trinta horas depois, em Risen 2, ali estava eu ainda evitando determinados combates.

risen-2-06

Eu poderia suportar todos esses empecilhos se a veterana desenvolvedora me acolhesse com grandes momentos ou uma exploração recompensadora. Ainda que a história não seja ruim e alguns personagens sejam até mesmo carismáticos, ainda assim me sentia sendo conduzido no automático, com cada região levando incansáveis horas para avançar o enredo principal. Até mesmo descobrir lugares secretos e desbravar caminhos inéditos, dois pilares de Gothic ou mesmo o primeiro Risen, aqui não traziam a mesma satisfação. Acabei me flagrando seguindo trilhas escondidas para encontrar apenas um baú com conteúdo de pouco valor ou mais um bando de macacos para enfrentar. Explorei cavernas que morriam a poucos metros do seu início e penetrei em templos que terminavam em becos sem saída, sem nada de interesse.

Risen 2 acaba se tornando outro projeto da Piranha Bytes repleto de boas ideias e boas intenções, mas assolado por decisões equivocadas de design e uma certa preguiça. Em Gothic 3, esse desequilíbrio ameaçou me afastar do final. No primeiro Risen, a desenvolvedora ampliou alguns defeitos, mas conseguiu dar um grande suspiro de genialidade, prejudicado mais pelo final apressado do que pela execução do todo. É uma pena que a guinada de atmosfera de sua continuação não tenha recebido o mesmo esmero de todo o resto.

Risen 3 supostamente dá um novo giro de 180º e devolve a franquia para sua origem medieval com magia. Gostaria de saber como isso foi implementado em termos narrativos, mas segurarei por mais algum tempo, talvez anos, meu retorno a outro jogo da desenvolvedora. É hora de descer essas velas, deitar a âncora e voltar para a praia com uma ressaca de rum e o amargo gosto de um RPG em que investi tanto tempo, mas não tenho forças para continuar.

risen-2-18

Ouvindo: Moonspell - Ataegina

5 de julho de 2021

E3 2021: Dez Jogos Indie Que Você Não Viu Porque Não Mostramos Antes

indie-somerville

(publicado originalmente no Gamerview, mas eu tinha esquecido completamente de trazer pra cá)

Nem só de grandes produções se faz a indústria de jogos. Enquanto a E3 serve de palco para anúncios grandiosos ou rivalidades históricas entre produtoras de consoles, ela também tem espaço para a cena indie. É um pessoal que vende o almoço para comprar a janta, que se dedica de paixão ao seu sonho e costuma apresentar inovações que serão replicadas pelos estúdios AAA anos depois.

Aqui no Gamerview, tentamos de tudo para sermos democráticos e apresentar uma cobertura abrangente de todos os eventos. Nosso time quebrou recordes durante os últimos dias para trazer para você mais de 150 notícias relacionadas à E3! E, mesmo assim, tiveram jogos que ficaram de fora.

Então, bem-vindo à repescagem, ao grupo de acesso da E3 2021. Separei para você uma seleção de 10 jogos indie que não couberam na nossa cobertura até agora mas merecem sua atenção e carinho:

1) Somerville

Somerville é o jogo indie de estreia da Jumpship, o novo estúdio de Dino Patti, um dos criadores de Limbo e Inside. Nessa aventura enigmática, visitantes siderais vieram à Terra e provocaram uma catástrofe global sem precedentes. Cabe ao jogador fazer o impossível para reunir sua família, em meio ao cenário rural devastado da região que dá nome ao jogo. O título mantém a atmosfera opressora e sombria dos trabalhos anteriores de Patti, misturando horror emocional e ficção-científica.

Plataformas: PC, Xbox One, Xbox Series.
Data de lançamento: 2022.

2) Tinykin

Tinykin é Pikmin para PC, não há uma forma melhor de descrevê-lo. Essa aventura indie coloca o jogador no papel do espaçonauta Milo, naufragado em um planeta de proporções colossais. Com a ajuda dos simpáticos monstrinhos Tinykin, ele deve resolver puzzles e atravessar desafios de plataforma para encontrar uma forma de retornar para casa. Coincidência? Talvez. A reviravolta aqui é que Milo é humano, do ano 2748, e ele está redescobrindo a Terra. O que aconteceu para tudo ter se tornado tão gigante? Onde estão as pessoas?

Plataformas: PC.
Data de lançamento: 2022.

3) Demon Turf

Demon Turf traz uma diabinha com atitude disposta a se tornar a Rainha do Inferno. Para alcançar esse objetivo, ela precisará encarar gangues demoníacas em um jogo indie de plataforma. O estilo visual do jogo mistura ambientes abertos em 3D com personagens desenhados à mão em 2D, com resultados inusitados. O bom humor dá a tônica, seja na aparência geral de tudo, seja na trilha sonora, que conta até com raps entoadas pela "heroína".

Plataformas: PC, PlayStation 4, PlayStation 5, Xbox One, Xbox Series, Switch.
Data de lançamento: 2021.

4) GRIME

O trailer de GRIME não explica nada, só confunde, mas é isso que chama a atenção para esse jogo indie. Na prática, esse é um título de ação e aventura grotesca que mexe com o body horror. Em um mundo de carne, você derruba seus oponentes com armas vivas e consome seus restos através de um buraco negro, para aperfeiçoar sua própria massa biológica. É um título para quem tem estômago forte, porém também é um jogo para quem curte desafios.

Plataformas: PC.
Data de lançamento: 2021.

5) Akatori

Akatori é um jogo indie que esbanja simpatia, mas sem abrir mão da jogabilidade. Nesse Metroidvania, a jovem Mako tem a habilidade de alternar entre dimensões e vai utilizar esse poder para abrir seus caminhos. Ela precisa desvendar os segredos do seu mundo, encarar inimigos perigosos e evitar o despertar de uma divindade ancestral. Além disso, o jogo também traz combates nervosos e a possibilidade de desbloquear mais poderes em sua jornada.

Plataformas: PC.
Data de lançamento: Sem previsão.

6) No Longer Home

No Longer Home é um título indie que busca mostrar o extraordinário da vida cotidiana, a beleza naquilo que fazemos e nunca percebemos. Essa jornada emocional vai colocar o jogador no controle de Bo e Ao, um casal de estudantes universitários que morou junto por um ano. Agora, diante da necessidade de seguirem caminhos diferentes, eles irão se recordar de tudo que aconteceu e da poesia presente nas pequenas coisas do dia a dia. Ao mesmo tempo, uma criatura de múltiplos olhos se torna o terceiro habitante do apartamento…

Plataformas: PC.
Data de lançamento: 2021.

7) Trash Sailors

Com um estilo visual ímpar, Trash Sailors é basicamente o que diz o seu título: um bando de marujos do lixão. O título cooperativo para até quatro jogadores tem gráficos desenhados à mão. Na trama, um dilúvio assolou o mundo e está tudo alagado. Para sobreviver, seu time terá que catar escombros da civilização e construir a balsa mais tosca de todos os tempos para buscar terra seca. No caminho, será necessário aperfeiçoar a balsa e encarar ataques de crocodilos do pântano, tubarões tóxicos e até piratas do gelo.

Plataformas: 2021.
Data de lançamento: PC, Xbox One, Xbox Series, PlayStation 4 e Switch.

8) White Shadows

White Shadows é mais um jogo indie esteticamente impressionante, buscando na ausência de cores uma forma de expressar a tensão de seu mundo. Nesse futuro distópico, uma Grande Guerra aconteceu. A raça humana se mesclou com animais e os sobreviventes vivem no último bastião da civilização, a Cidade Branca. Porém, entre seus prédios colossais, governam os lobos. Aqueles que não podem pagar por tratamento são vítimas de uma epidemia mortal. Agora, algo está vindo para colocar essa sociedade no chão.

Plataformas: PC.
Data de lançamento: 2021.

9) UnMetal

UnMetal é Metal Gear Solid renascido. A homenagem já começa no nome desse jogo indie e continua a partir daí. A jogabilidade é exatamente aquilo que se espera: a furtividade em cenários 2D dos primeiros títulos da franquia criada por Hideo Kojima. Em contrapartida, aqui saem as conspirações mirabolantes e a história emocionalmente profunda. Em seu lugar, temos um senso de paródia e galhofa, de desconstrução do gênero. Não por acaso, esse projeto é do mesmo criador de UnEpic, um RPG metroidvania que não deixava pedra sobre preda.

Plataformas: PC.
Data de lançamento: 2021.

10) Citizen Sleeper

Citizen Sleeper fecha nossa lista com chave de ouro. O jogo indie é descrito como um RPG "nas ruínas do capitalismo interplanetário". Na trama, o jogador pertence a uma casta que teve a consciência digitalizada e é propriedade de uma corporação. Em fuga por um destino melhor, seu corpo entra em processo de franca decadência, vítima da chamada "obsolescência programada". Será necessário sobreviver do que se encontra pelas ruas, formar alianças com outros habitantes da estação espacial e escapar das garras da corporação.

Plataformas: PC.
Data de lançamento: 2022.

Ouvindo: Jared Hudson - Final Fantasy 10 The Final Summoning OC ReMix

Retina Desgastada

Blog criado e mantido por C. Aquino

Cyanide & Happiness - Freakapocalypse