Retina Desgastada
Idéias, opiniões e murmúrios sobre os jogos eletrônicos
Comunidade do SteamTwitterRSS

22 de julho de 2014

Minimalist Effect

Um certo yteci tem talento para o minimalismo e conseguiu captar com olhar preciso e poucas linhas o universo de Mass Effect em uma seleção de bons papéis de parede:

mass-effectmass-effect-2mass-effect-2-02mass-effect-3

 

As imagens em maior resolução podem ser baixadas aqui.

Ouvindo: Bravely Default - World of Scattering Flowers

21 de julho de 2014

O Retorno de Minsc

Less talk, more fight!

Treze anos depois de ser visto pela última vez em Throne of Bhaal, a única expansão de Baldur's Gate 2, Minsc está de volta! E com Boo, o Hamster Espacial Gigante Miniatura!

Legends of Baldur's Gate

Infelizmente, a dupla não retorna para um aguardadíssimo terceiro jogo da saga, mas para protagonizar uma minissérie em quadrinhos: Legends of Baldur's Gate.

Como parte das celebrações dos 40 anos de Dungeons & Dragons, a Wizards of the Coast encomendou a publicação para a editora IDW. A IDW é famosa por adaptar, nem sempre com sucesso, franquias de outras mídias para os quadrinhos, como Ghostbusters e Ben 10...

A dupla responsável pela ressurreição de Minsc (e Boo) é composta pelo escritor Jim Zub e o artista Max Dunbar.

Não há muitos detalhes sobre o enredo, exceto que Minsc é, de alguma forma, transportado para o futuro, cem anos depois dos eventos retratados no último jogo. O mundo ainda é de espada e feitiçaria e o ranger de pouca conversa e muita ação passa a liderar um outro grupo de aventureiros contra uma nova ameaça.

Legends of Baldur's Gate - Capa Alternativa

Capa alternativa da primeira edição

Na verdade, o salto no tempo foi essencial para situar o herói do passado no mundo de Tyranny of Dragons, a linha de enredo adotada pela 5ª Edição das regras de Dungeons & Dragons. Mas, de acordo com Zub, a história terá autonomia própria, podendo ser lida e compreendida por qualquer um que ainda não tenha jogado o novo D&D ou qualquer Baldur's Gate.

Inicialmente, a minissérie está prevista para durar cinco edições. Entretanto, dependendo da resposta do público, pode haver outras minis em sequência. O primeiro número chega às lojas em Outubro, nos Estados Unidos.

Da minha parte, mesmo sem confiar no trabalho da IDW, só posso desejar sucesso à empreitada e uma justa homenagem à altura de um dos NPCs mais queridos dos jogos eletrônicos. Que a lenda continue e se estenda.

E que venha logo Baldur's Gate III.

Ouvindo: Gabriel Knight - Main Theme

19 de julho de 2014

(não) Jogando: NecroVisioN

NecrovisionNas primeiras vezes em que joguei Painkiller, o jogo tinha uma forte característica onírica: todos os movimentos pareciam ocorrer em uma velocidade reduzida, daquele jeito que filmes e jogos insistem em mostrar os sonhos, embora eu nunca tenha sonhado em câmera lenta. Mesmo objetos caindo pareciam ser regidos por uma gravidade que não era deste mundo. Por ser um jogo ambientado nas regiões abissais do Purgatório, imaginei que era uma decisão de design e ficava embasbacado com o efeito.

Não sabia que era um bug.

Um patch, baixado para o jogo por outros motivos dos quais não me recordo, devolveram a Painkiller sua reconhecida velocidade. Subitamente, se tornou um título muito diferente, hostil, frenético e eu quase senti falta daquele torpor anterior.

Pois alguns desenvolvedores da polonesa People Can Fly, responsável por Painkiller, saíram da empresa para fundar a The Farm 51 e criar NecroVisioN (doravante grafado como "Necrovision" mesmo e danem-se as maiúsculas estranhas).

E eu posso dizer que sei exatamente que desenvolvedores são estes: são os mesmos programadores que criaram o "bug dos sonhos". Cinco anos depois do jogo anterior, Necrovision sofre do mesmo problema.

Sonho ou Pesadelo?

Necrovision - Borrado

Nos primeiros segundos de jogo, eu viro para o meu filho, esse eterno curioso, e digo: "vou ter que fechar, está me dando tontura". Algumas pessoas tem problemas com FPS e sentem náuseas, devido ao campo de visão mudando bruscamente, mas o corpo ficando parado na cadeira. Comigo, nunca tinha acontecido.

Volto ao jogo depois e desativo vários recursos gráficos, como HDR, Bloom e outros. Reduzo a velocidade do mouse para os giros não serem tão abruptos. E Necrovision se torna suportável. Não agradável, mas suportável. Ainda há uma estranheza no ar...

Estranheza é o tom do jogo, já que é basicamente um Painkiller na Primeira Guerra Mundial. Nas trincheiras do segundo conflito mais sangrento da história da Humanidade, forças demoníacas entram em ação para matar indiscriminadamente os dois lados do conflito.

O tutorial dura uns dois minutos se tanto, onde você se locomove por uma trincheiras, mira em um inimigo e bum! Um imenso clarão de explosão em câmera lenta, seguido de uma colossal cutscene muito borrada que se arrasta por uma eternidade, antes de ser substituída por um CGI introdutório até interessante. Quando você retoma o controle, o sonho continua.

Necrovision - Bum

Estou em um bunker com um soldado louco querendo me matar. Após um combate corpo a corpo que parece Tai Chi, a náusea volta um pouco. Eu paro por um tempo, sem mexer no mouse ou no teclado. A mira balança como se eu estivesse em um barco. Não é apenas um problema de performance. O maldito jogo ginga na minha tela, como um bêbado em fim de festa.

Nada de Novo No Front

Steam marca 29 minutos de jogatina. Eu penso em desinstalação. Como um título de 2009 pode derrubar Kryta?

Pesquiso nos fóruns. Há gente com o mesmo problema, com configurações superiores. Há gente sem problemas, com configurações inferiores. Um sujeito recomenda ativar o DirectX no jogo, porque, supostamente os programadores não fizeram isso. Adicionando o parâmetro "+dx10" à inicialização deve resolver o assunto.

Mas o jogo nem abre.

Teimoso, tento "+dx9", embora a Nvidia jure de pés juntos que minha placa suporta o DirectX 10. Funciona. O "barco" para de balançar. Mas a velocidade ainda é bizarra.

Explodo a saída do bunker, obstruída por destroços e eles voam como se fossem plumas, sem pressa de cair. Saio e contemplo o horror da guerra e a beleza do jogo. Parado, Necrovision é bonito.

Necrovision - Headshot

Múltiplos inimigos surgem de cantos obscuros da visão. Ainda bem que o dano que eles fazem é pouco, porque a minha reação é demorada. Não procuro abrigo dos tiros e vou enfileirando headshots. Mesmo nessa cadência, na pior condição possível, matar nazistas é sempre bom, ainda que eles não sejam nazistas, já que esta é a Primeira Guerra.

Esbarro em um soldado aliado escondido. Lá vem diálogo. Não faz muito sentido. O pobre infeliz pede que eu espere ele terminar uma carta para enviar para a esposa. O herói diz para o desgraçado que "eu não sou carteiro" e vai embora. É o momento em que eu perco qualquer conexão emocional que poderia estabelecer com este jogo.

Necrovision - Metralhadora Fixa

Mais pra frente, encaro a clássica cena da metralhadora fixa, onde você controla uma arma poderosa enquanto mói uma onda de inimigos. Não tem a menor sensação de poder. Uma explosão próxima ilumina a tela toda de novo.

Eu acordo.

2014 Avança

  1. Outcast
  2. The Walking Dead
  3. Paper Sorcerer
  4. Necrovision
  5. Zeno Clash
  6. The Witcher
  7. GRID
  8. Dungeonland
  9. Race the Sun
  10. Sang-Froid
  11. Foreign Legion
  12. Hotline Miami
  13. STALKER Call of Pripyat
  14. The Bridge
  15. Brothers
  16. Papo & Yo

 

Ouvindo: Straightjacket Fits - Brittle

16 de julho de 2014

Há Muito Tempo Atrás, Em um Minecraft Distante…

Minecraft - Star Wars

Esta é a história de um pai e paixões na sua vida: Star Wars, Minecraft e seus filhos. Uma das filhas foi diagnosticada com um tumor no cérebro aos três anos de idade. Disseram para ele que ela não veria seu próximo aniversário. Ela sobreviveu, cresceu e chegou aos 16 anos compartilhando com o pai as mesmas paixões.

Esse pai não tem nome. Mas ele tem um sonho. Ele juntou tudo o que mais gostava em um projeto que custou três anos para ser realizado: recriar o Episódio IV de Star Wars na íntegra em Minecraft.

O projeto mantém sua filha concentrada e longe dos problemas de saúde provocados por um tratamento que nunca terá fim. Juntos, sem usar nenhuma modificação, apenas texturas customizadas, eles se dedicaram a tornar esse sonho realizado.

Uma hora e dez já estão prontos. Faltam apenas 11 minutos do longa-metragem para serem concluídos. Ele não busca dinheiro, Kickstarter, fama ou um emprego na Mojang (embora aceite doações). Nem a monetização do YouTube foi ativada. Ele gostaria que sua obra fosse exibida em um cinema, para crianças doentes, com George Lucas, o Yogcast, membros da LucasFilms e da própria Mojang na plateia.

Para quem construiu tudo isso, talvez não seja impossível. Talvez o subtítulo do Episódio IV se torne real...

Ouvindo: Pearl Jam - Nothingman

14 de julho de 2014

Fabuloso!

Extra Fabulous é um webcomic criado por um cartunista que prefere ser chamado de ZMS e se define como um sujeito estúpido com uma cara estúpida, além de outros epítetos auto-depreciativos. Mas ele manda bem no humor e, ocasionalmente, aborda o mundo dos jogos eletrônicos.

Extra Fabulous - Inflluence

Influência

"Pow Pow! Eu sou Gordon Freeman"

"Malditos jogos eletrônicos!"

"Pow Pow! Eu sou George Washington"

"Oh, ele vai concorrer à presidência um dia"

Extra Fabulous - Minecraft

O Esplendor de Minecraft

"Oh, meu Deus! Eu posso fazer qualquer coisa"

"É lindo"

Extra Fabulous - Mario

"Mario, você está comendo o meu bebê!"

"O que?"

O resto nem precisa de tradução...

Ouvindo: Mondsucht - Zeig mir dein Gesicht

5 Ferramentas Para Turbinar o seu Steam (com bônus)

Originalmente publicado no Código Fonte:

Recentemente, a loja virtual Steam encerrou sua famosa liquidação anual de Verão e jogadores de PC certamente compraram diversos títulos novos com descontos de dar inveja em seus colegas jogadores de consoles. A loja está atada a um aplicativo próprio e muita gente esquece que ele é um programa como outro qualquer para Windows, Mac e Linux.

E onde existem programas populares, existem programas terceirizados capazes de maximizar as funcionalidades de seu primo mais famoso.

Trazemos aqui quatro programas e uma ferramenta online gratuitos criados para turbinar o seu Steam e aproveitar ao máximo os seus jogos.

Leia mais

Testei todas elas e são mesmo uma mão na roda para quem gosta de manter seus programas no computador na rédea curta. Ainda sinto falta de um sistema de tags para minha própria Biblioteca, mas estamos chegando lá.

enhanced

E, para quem deseja incrementar sua experiência de uso da própria loja Steam pelo navegador, recomendo enfaticamente o complemento Enhanced Steam, disponível para Mozilla Firefox e Google Chrome. Sua lista de funcionalidades é imensa, mas posso destacar que ele marca com uma cor diferente os jogos que você já tem e os jogos na sua Wishlist enquanto você navega no Steam, informa se determinado preço já apareceu mais barato antes e onde está mais barato nesse exato momento, agrega notas de outras fontes além do Metacritic e muito mais. Se você passa muito tempo "garimpando" ofertas e jogos no Steam, esse plugin é indispensável.

Ouvindo: Therapy - Trigger Inside

12 de julho de 2014

Jogando: Paper Sorcerer

Paper Sorcerer 08

Na minha visão, o Kickstarter existe para que criadores com uma visão única possam encontrar seu público e conseguir financiar suas produções sem a interferência de intermediários ou investidores. E acredito que sejam merecedores de meu dinheiro aqueles projetos que não passariam incólumes ou não passariam de forma alguma pela junta de aprovação de uma grande produtora.

Paper Sorcerer é um destes deliciosos casos de um produto que jamais encontraria espaço no portfólio de uma empresa ou seria descartado com facilidade como o projeto de um louco.

Esse louco atende pelo nome de Jesse Gallagher. Sem nunca ter trabalhado na indústria de jogos eletrônicos ou mesmo ter recebido uma única aula de programação, ele resolveu criar um RPG para computador inspirado em suas ideias e na sua arte. Pediu 5 mil dólares no Kickstarter. Ganhou 13 mil.

A arte é justamente o que se destaca em Paper Sorcerer, um título de RPG medieval que parece ter saído direto da literatura de cordel, com tons monocromáticas e clima sombrio. E este estilo visual sui generis, com nenhum objeto ou ambiente realmente em 3D, se justifica no enredo: você é um mago, aprisionado em um livro mágico, que precisa enfrentar seus guardiões e soltar as linhas que prendem as páginas para que possa encontrar a liberdade. Como quem folheia um livro amarelado pelo tempo e corroído, você enfrenta uma grande quantidade de perigos, todos desenhados à mão com maestria e com animações de combate que evocam as animações pioneiras que flipavam o papel.

Paper Sorcerer 02Paper Sorcerer 13Paper Sorcerer 14

Livro dos Monstros

Gallagher poderia ter parado por aí, satisfeito com a beleza poética de seu jogo. Mas bebeu intensamente na fonte dos RPGs táticos do passado e criou um sistema de combate de turnos que desafia e empolga com suas infinitas possibilidades. Uma escolha errada pode ser literalmente a diferença entre ter todo o seu time pulverizado sem chance de reação e uma vitória impecável, quase sem danos. Eu sei porque eu vi isso, mais de uma vez.

Paper Sorcerer 09

Em Paper Sorcerer você controla um Invocador, um feiticeiro que é capaz de invocar criaturas monstruosas para lutar ao seu lado. São 12 seres diferentes, mas você precisa escolher três que irão acompanhar o personagem central em todos os momentos. A diversidade de estratégias diferentes que você pode criar aumenta exponencialmente o fator replay e certamente haverá uma combinação que será matadora para seu estilo de jogar.

No meu caso, meu primeiro escolhido foi um Troll. Arrependi-me amargamente porque ele não é tão forte nem tão resistente como imaginava, sendo mais útil para ataques-surpresa e danos críticos. Mas o jogo permite que você desbloqueie outras chances de escolher novos companheiros e meu time fechou com um Minotauro como DPS (um titã capaz de fazer mais dano que os outros três personagens juntos), um Vampiro que servia como Healer/DPS (mantinha os demais personagens vivos com curas, mas também era meu segundo maior atacante) e o Esqueleto como Tank (uma esponja de dano que raramente morria). No final das contas, o próprio Sorcerer que é o protagonista exerceu pouca influência no combate, sendo o mais fraco da minha formação.

Com itens espalhados pelo cenário e um treinador de perícias, eu maximizei as potencialidades de cada personagem. O primeiro quarto do jogo foi difícil, o segundo e o terceiro foram muito fáceis, e o último quarto deu uma boa guinada na dificuldade, com batalhas hercúleas.

Paper Sorcerer 17

Livro do Mestre

O maior defeito de Paper Sorcerer é sua extensão. Uma prova de que o Kickstarter pode ser uma faca de dois gumes, uma vez que uma das metas de faturamento atingidas era a promessa de níveis extras. Com 30% a menos de conteúdo, o título seria menos cansativo e repetitivo. No total, há 10 blocos de masmorras no livro-prisão, que seguem basicamente a mesma fórmula: três andares com múltiplas salas e uma penca de inimigos antes do confronto com um chefe de fase. Por volta do bloco 7 eu já estava mais enjoado do que encantado com a mágica criada por Gallagher. Não por acaso, apenas 4,4% dos jogadores desbloquearam o achievement no Steam de atingir o final da história.

Surpreendendo ainda mais, o título também traz um humor único, sem cair no deboche ou na sátira pura e simples. Há um certo ar de jogo infanto-juvenil, seja na caracterização de alguns NPCs (o vendedor de itens é... inusitado) ou na forma fantástica como o epílogo acontece.

Paper Sorcerer 10

Não satisfeito em criar um RPG desafiador, bonito e único, Gallagher ainda inseriu um enredo sutil que se revela aos poucos, salas secretas para serem abertas para os mais devotados jogadores e compôs uma trilha ímpar, que consegue ser uma homenagem aos clássicos RPGs da era dos midis e ser macabra ao mesmo tempo.

Paper Sorcerer é o único projeto, dentro daqueles que patrocinei no Kickstarter, que foi concluído até agora. Não é uma obra-prima. Mas fico imensamente feliz ao saber que apostei certo e com muito orgulho de saber que o nome do Retina Desgastada está lá, endossando os créditos.

Mal posso esperar pelo próximo projeto de Jesse Gallagher e sua Ultra Runaway Games.

Paper Sorcerer 03

2014 Avança

  1. Outcast
  2. The Walking Dead
  3. Paper Sorcerer
  4. Necrovision
  5. Zeno Clash
  6. The Witcher
  7. GRID
  8. Dungeonland
  9. Race the Sun
  10. Sang-Froid
  11. Foreign Legion
  12. Hotline Miami
  13. STALKER Call of Pripyat
  14. The Bridge
  15. Brothers
  16. Papo & Yo
Ouvindo: Therapy - Jude the Obscene

Retina Desgastada

Blog criado e mantido por C. Aquino

My Playstation WallpapersXbox WallpapersPC Game Wallpapers

The Walking Dead