Retina Desgastada
Idéias, opiniões e murmúrios sobre os jogos eletrônicos
Comunidade do SteamTwitterRSS

20 de maio de 2014

Jogando: The Walking Dead (Conclusão)

The Walking Dead

Em raras ocasiões em RPGs de mesa eu vi roleplay, a interpretação de verdade acontecendo. Não se trata de usar sua vantagem racial inata para identificar perigos ou aquele bônus de precisão que você rolou nos dados ou comprou com pontos. É entrar no personagem e fazer algo que não tem qualquer importância para o avanço da trama ou a vitória. É pular no pescoço do Gigante de Gelo vários níveis acima do seu porque na sua ficha está escrito que sua família foi morta por eles. É soltar a mão do único clérigo do grupo na beirada do abismo porque seu personagem guardou rancor da semana passada.

Ainda mais raros são os momentos de roleplay em RPGs eletrônicos. Quase tudo se baseia em pontos de Karma, Paragon ou na chance de se obter uma vantagem estratégica mais à frente.

Nos minutos finais de The Walking Dead, ele te apresenta uma série de escolhas de diálogos. E é o mais perfeito estado de roleplay. Nada do que você escolher ali irá alterar o destino dos personagens principais. Mas é a consolidação de um longa relação que se construiu em doze horas, dividida em cinco capítulos. É o diálogo mais importante de todos, o último soco emocional de uma narrativa repleta deles.

The Walking Dead é repleto destes instantes de genialidade. Ainda no último capítulo, próximo da conclusão, outra cena é resolvida quase inteira no tenso embate verbal entre o protagonista e alguém que consegue misturar mentiras e distorções ao lado de chocantes verdades. Em uma grande sacada, a Telltale consegue reverter a visão que você tem do herói Lee Everett e, por que não dizer, de si mesmo e da forma como fez suas escolhas ao longo da jornada. E o passado de Everett fecha seu ciclo de forma quase catártica.

Com personagens pelos quais você consegue sentir afeto, pena, amizade, ódio visceral e incerteza, a Telltale Games mostrou diversos caminhos para os quais é possível construir a atmosfera de um jogo eletrônico. Fugindo de clichês e usando uma arte que remete às histórias em quadrinhos de onde a franquia se originou, a desenvolvedora conseguiu embutir mais realismo e imersão na experiência que qualquer gráfico next-gen sequer almejou.

The Walking Dead

Adventure of the Dead

Infelizmente, a mesma Telltale que resgatou os adventures de um perigoso ostracismo, caiu no equívoco de tentar transformar sua brilhante história em algo que não é: um jogo.

A analogia com To The Moon, o primeiro (e único) não-jogo a entrar em minha Lista de Favoritos, é inevitável. Mas se o pseudo-JRPG se apropriava da linguagem do gênero para construir sua poética história interativa de música e tristeza, aqui a Telltale parece querer colar com fita adesiva uma jogabilidade de adventure em cima do que já estava perfeito.

The Walking Dead

No primeiro episódio temos a insinuação de stealth que poderia ter sido a direção certa se tomar e alguns puzzles até interessantes, embora simples. Talvez por uma questão de ritmo, a desenvolvedora optou por diminuir os puzzles  nos episódios seguintes e torná-los ainda menos complexos. O tiro saiu pela culatra e estes momentos "jogo" de The Walking Dead destoam imensamente do resto do título.

O núcleo de The Walking Dead está mesmo nas escolhas, nas decisões rápidas e profundas que você precisa tomar. Tudo o mais, é frágil e insosso, artificial até. Eu posso entender alguns eventos quicktime, que exigem precisão no mouse ou o aperto rápido de uma tecla, para que o jogador consiga participar melhor da tensão de determinadas situações. Mas parte do encanto se quebra quando você se dá conta que alguns deles são falsos, que você pode falhar sem maiores consequências além de uma recarga rápida e que o mouse está propositalmente configurado para responder lentamente.

Como eu disse na análise preliminar, seria um excelente casamento o encontro da jogabilidade de Dead Island com o roteiro, os personagens e as decisões de The Walking Dead. Mas o que recebemos é algo que parece ter vergonha de ser um não-jogo e que, ao contrário de To the Moon, faz um esforço burocrático e desnecessário de merecer a alcunha "jogo".

Não precisava disso, Telltale.

Salvando a Humanidade

Se há algo que The Walking Dead nos ensina como narrativa é que há muito mais do que permanecer vivo no apocalipse zumbi. O subtexto é de Robert Kirkman, criador dos quadrinhos, o homem que conseguiu entender a mensagem do mestre Romero e concluiu que o vivo é e sempre será o maior inimigo do vivo.

The Walking Dead

Ao longo da minha caminhada, tentei ao máximo preservar não apenas o grupo vivo, mas também a Humanidade viva. Aquilo que nos separa da barbárie, do instinto de sobrevivência puro e simples: os valores que permeiam ou deveriam permear na civilização. Em qualquer circunstância, principalmente nos de exceção. Se a Morte (e a Desmorte, neste caso) são inevitáveis, o que vale é o que fazemos durante nossa permanência sobre a Terra. Que Humanidade estamos tentando preservar se abrimos mão daquilo que nos separa dos mortos-vivos? Mais de 90% dos horrores mostrados aqui são fruto dos vivos.

Se há algo que The Walking Dead pode ensinar à indústria de jogos eletrônicos é que é possível construir personagens e relações que vão além do unidimensional, que a cor da pele do protagonista não faz a menor diferença, que é possível inserir crianças (e crianças mortas) na trama sem cair na vala comum do choque fácil, que há mais fatores capazes de impulsionar um Herói com letra maiúscula além de destroçar seus inimigos ou salvar a Terra ou buscar vingança.

Se há algo que The Walking Dead pode ensinar a todos é que é mágico entrar na pele de um personagem e interpretá-lo, pelo puro prazer do roleplay.

"Mantenha o cabelo curto, Clementine".

The Walking Dead

Ouvindo: The Black Mages - Zeromus
Seu apoio é muito importante! Ajude esse blog a crescer! Patreon

7 comentários:

Isaac Moreira disse...

"Mantenha o cabelo curto"

E que venha a segunda temporada Aquino!

Raphael AirnMusic disse...

Mas Aquino, toda a parte boa do jogo não compensa a parte ruim, pra entrar na lista de favoritos? achou a parte ruim tão ruim assim?

Sobre a parte final onde você é confrontado com suas escolhas durante o jogo, achei genial. Tentei jogar o tempo todo como 'bom moço' e mesmo assim me senti mal com cada alfinetada do antagonista. Essa parte foi realmente muito bem construída, a meu ver =)

Vai jogar o 400 dias também? Eu recomendo, ele tem muito mais decisões rápidas e de soco no estômago por minuto do que a primeira temporada hehe

Vilas Boas disse...

Senti que ao pesar na balança o lado "contras" pesou mais!

Bem, aí vai da visão de cada um e eu enquanto mero jogador casual procuro sempre evidenciar as qualidade de um jogo (ou experiência interativa, que seja).

Sinceramente? não vi nada que possa se chamar de contra em TWD, Jogão, tanto que foi GOTY (desculpe AC3).

C. Aquino disse...

É difícil explicar como um jogo entra ou não para a Lista de Favoritos. Basicamente, eu me pergunto se ele merece. Se houve um momento de hesitação, ele não entra. É o que explica títulos onde tenho centenas de horas, como Killing Floor e DC Universe Online não estarem lá, ou títulos de qualidade indubitável, como Batman: Arkham City e Asylum, também não estarem lá.

Vou tentar de outra forma: para um jogo ir para lá, tem que ter nota 10 ou 9,5, embora eu não os divida assim. The Walking Dead, asism como Batman: AC, receberia fácil uma nota 9.0. É um quase lá, uma perfeição que ficou devendo uma coisinha a mais difícil de quantificar.

Já tenho o 400 Days e devo pegá-lo ainda este final de semana. E já estou no hype pela Season Two. Então, sim, ADOREI o jogo. Só não entrou na Lista de Favoritos.

Marcos A.S. Almeida disse...

E minha opinião, os momentos de maior interatividade é que salvam o jogo.Aliás, é o que o torna (ou tentam fazê-lo)realmente "um jogo".Caso contrário, teríamos um "gibi" em movimento.É um jogo muito bem feito e em alguns momentos realmente nos emociona.Eu nunca me senti realmente no controle das ações , apesar de em alguns (raros) momentos vermos a influência de decisões tomadas lá atrás.Uma das sacadas mais interessantes é ver, ao final de cada episódio , as estatísticas das nossas decisões comparadas ás de outros jogadores ao redor do mundo.No final , tive a sensação de participar de uma experiência muito legal e que desperta sensações, mas tenho dúvidas se é merecedor do GOTY.Não o vi como uma experiência inesquecível.Mas no final das contas, é apenas gosto pessoal de alguém que é indiferente á uma história bem contada que supostamente é um jogo.

Vilas Boas disse...

Bem... quanto a 400 Days, na minha simplória opinião, foi apensas um belo engodo, um cala boca para os que reclamavam da demora da 2° Season.

Ele por si só é até legal, se você não ficar enrolando fecha as 5 histórias em 1h no máximo, bem curto!

Até o momento parei no 2° episódio da 2° temporada e não vi serventia pro 400 days, como disse, foi um passatempo

Já a 2° Temporada é show, fiquei receoso ao saber que jogaria com Clementine (muitos clamavam por isso, eu não!) a TTG felizmente não deixou a "peteca" cair!

Jaotavio "Gyodai" disse...

Belo texto sobre um belo "jogo".
The Walking Dead entra pra minha lista por ter conseguido me fazer pensar nele várias vezes após o fim. Sempre que eu paro pra pensar nele, me vem um "eu não devia ter feito tal coisa" na cabeça.
E ele me fez chorar. Eu sou chorão, admito, mas dificilmente um jogo de videogame consegue essa proeza. E esse conseguiu. Duas vezes, aliás...

Retina Desgastada

Blog criado e mantido por C. Aquino | Seja um patrono!

My Playstation WallpapersXbox WallpapersPC Game Wallpapers

Regalia