Retina Desgastada
Idéias, opiniões e murmúrios sobre os jogos eletrônicos
Comunidade do SteamTwitterRSS

1 de janeiro de 2014

Melhores de 2013 e o Que Vem Por Aí

2013 foi um dos meus piores anos em muito tempo. Questões financeiras se acumulando, escassez de trabalho, uma crise de pressão alta provocada por stress, dieta, um dedo fissurado. Praticamente, tudo que podia dar errado, deu. Em circunstâncias normais, nem mesmo estaria mencionando isso por aqui, mas quis o azar que 2013 fosse, de uma forma geral, um dos piores anos em termos de jogos também.

Toki Tori 2 Depois de ter me dedicado em 2012 a apenas jogar franquias que eram inéditas para mim e ter recebido uma dose altíssima de frescor e novos horizontes, caí na asneira de estipular que 2013 seria dedicado a continuações que estavam pendentes em minha biblioteca. Nada especificamente desastroso cruzou meu caminho, mas a sensação ao longo do ano foi de estar andando para trás e revisitando lugares ou que já não tinham nada para me dizer ou que se afastaram demais da imagem que eu guardava na memória. As inacreditáveis exceções, além da saga de Shepard, foram os MMORPGs e os jogos infantis.

Na ordem cronológica, joguei Mass Effect 2, Mass Effect 3 (e estes dois foram uma excelente contribuição para minha Lista de Favoritos, além de um último bastião antes da monótona avalanche que seguiu), Q.U.B.E. (resquício inacabado de 2012), You Are Empty, Overlord II, Aliens vs Predator Classic , Aliens vs Predator, Dark Crusade (quase o campeão do ano, o que daria o bicampeonato para Dawn of War), Forsaken Gods, Arcania, Batman: Arkham City, Zafehouse Diaries, Left 4 Dead 2, Call of Duty: Modern Warfare, Mortyr III (na mesma postagem do CoD:MW) e Serious Sam 2 (postagem em andamento).

Ao lado do meu filho, quantas novidades! Muitas vezes me surpreendi me divertindo muito mais com estes jogos supostamente "de criança", vários deles independentes, do que com grandes produções focadas no público adulto. Lado a lado, jogamos Castle Crashers, Gunman Clive, Cave Story+, Wizorb, Pokémon Island, Sonic 4 Episode 1, Orczz, Freedom Fall, Unmechanical, Muffin Knight, Toki Tori 2, Fez, Proteus, Billy Hatcher and the Giant EggCloudy With a Chance of Meatballs, Sugar Cube: Bittersweet Factory, Incredipede, Tiny and Big in Grandpa's Leftovers, Three Dead Zed e MouseCraft.

Tudo começou com World of Warcraft e o convite do @magaiverpr. Não curti, mas perdi o medo do que ele representava. Acreditei que estaria imune ao vício destes mundos virtuais, uma vez que o mais famoso deles não me cativou. Ledo engano. Quase 300 horas de DC Universe Online me mostraram que existe um MMORPG para cada jogador, esperando ser encontrado. O fenômeno não se repetiu com Marvel Heroes, Fallen Earth, Star Trek Online (estes dois últimos nem ganharam análise) ou Meridian 59. Mas aconteceria novamente em menor escala com o condenado Warhammer Online e com um futuro mais garantido com Guild Wars 2.

Somando tudo, temos a impressionante marca de 42 jogos que eu posso dizer que experimentei (até o final ou, pelo menos, mais de duas horas). É quase o dobro do número do ano passado, que já tinha sido o recorde registrado durante o blog! Embora eu tenha me comprometido com eles, ficaram de fora um novo S.T.A.L.K.E.R., o segundo Assassin's Creed, Fallout: New Vegas, Max Payne 3, Deus Ex: Human Revolution e Dead Space 2. E Half-Life 3, graças à Valve.

Os Melhores de 2013

Mass Effect 2

Pelo quinto ano consecutivo, segue minha relação dos melhores e piores que joguei ao longo do ano que passou:

  • Melhor Jogo: Mass Effect 2
  • Maior Surpresa: DC Universe Online
  • Maior Decepção: Call of Duty: Modern Warfare
  • Pior Jogo: Forsaken Gods
  • Melhor Jogo Infantil: Billy Hatcher and The Giant Egg / Toki Tori 2
  • Pior Jogo Infantil: Orczz

(recapitulando os anos anteriores: 2008 | 2009 | 2010 | 2011 | 2012)

Novo Tema

OutcastEm 2014, meu filho passará mais tempo em casa, o que significa mais tempo para jogos infantis e menos tempo para jogos "de gente grande". Embora ele tenha adorado quase todos que me viu jogando... Mas terei que assumir também novas tarefas domésticas, ao mesmo tempo em que terei que intensificar minhas atividades de freelancer. Resumindo: não poderei desperdiçar meu tempo com apostas arriscadas. Ou jogos ruins.

Por isso, neste ano, aceito o desafio de jogar somente títulos que: foram premiados, foram indicados, eu apostei no Kickstarter ou ganhei de presente. E, pela primeira vez, criei uma lista prévia que deverá ser seguida à risca:

  1. Outcast (uma velha promessa)
  2. The Walking Dead (campeão de muitos prêmios)
  3. Paper Sorcerer (primeiro jogo de Kickstarter que investi e que ficou pronto)
  4. Necrovision (recomendado por NevesZerg)
  5. Zeno Clash (recomendado por Anônimo)
  6. The Witcher (recomendado por Wasner Machado)
  7. GRID (recomendado por Matheus e Ghedin)
  8. Dungeonland - doado por Estacado
  9. Race the Sun - ganho em concurso no Xboxplus
  10. Sang-Froid - doado por Arara
  11. Foreign Legion - doado por Ghedin
  12. Hotline Miami (premiado)
  13. STALKER Call of Pripyat (recomendado por Alex Souza)
  14. The Bridge - doado por Helder JC
  15. Brothers - doado por EltonVBQ

A seleção ficou boa, com títulos de diferentes gêneros, orçamentos e idades. Tem até alguns que são fortes candidatos à Lista de Favoritos... Teoricamente, ninguém fura a fila, mas sempre há espaço para Gordon Freeman.

Apesar de ter me proposto de rever algumas recomendações do passado, acabei parando no ano de 2010. Retina Desgastada cumpre, mas demora muito. Então, se você tem mais UMA recomendação para entrar no final da lista, sem garantia alguma de que será seguida este ano, fique à vontade.

Ouvindo: Big Mama Thornton - Everything Gonna Be Alright
Seu apoio é muito importante! Ajude esse blog a crescer! Patreon

18 comentários:

Fagner "Stigmata" Pelicioni disse...

Falando em "apostas para 2014", queria que desse uma olhada ou chance para algum jogo LEGO. Até seu filho poderá gostar, aliás, torce pra ele não gostar demais, pois uma unica peça de LEGO é o olho da cara. rsrs
Abraços, feliz 2014! Muito sucesso na sua vida, e no retinadesgastada que nos dais hoje.

Rodrigo Ghedin disse...

Se for só um jogo de corrida da Codemasters, recomendo mais DiRT 2. Envelheceu (bem) melhor que GRID e já naquela época era mais divertido.

Foreign Legions é curtinho, simples ao extremo, mas me diverti com ele.

E fica a sugestão de uma análise de Papers, Please. O Ars Technica fez um listão dos melhores jogos de 2013 e o colocou em primeiro! Aí fui ver o trailer e... ainda não entendi como um jogo em cima de uma premissa tão focada e gameplay (aparentemente) simples conseguiu essa honraria.

Feliz 2014!

Marcos A. S. Almeida disse...

Primeiramente quero lhe desejar um ano mais tranquilo, sem maiores sobressaltos na vida - acredite:sem problemas NINGUÉM vive - ou ao menos com zero problemas de saúde.Quanto a recomendação, além de realmente não ter nada á recomendar por hora, pois os multiplayer me consomem - com muito gosto - todo o tempo disponível , a última recomendação que lhe fiz , o Path of Exile, parece que não lhe encantou.Aliás, ele me lembrou as paixões por namoradas de adolescência: arrebatadoras mas fugazes.Depois que fechei-o no modo normal , todo o encanto se foi.Os bugs e problemas do jogo - que não são poucos - ficaram mais evidentes depois que o encanto se acabou.Mas ainda assim recomendo á quem não jogou , experimentar.Ele recebe constantemente atualizações afim de eliminar esses problemas.É um jogo com muitos detalhes e fica evidente o empenho que os criadores demandaram na sua construção.
O primeiro jogo de sua lista é Outcast.Comprei há algum tempo no GOG , mas desde os tempos da CD Expert ele me chamava a atenção.Instalei , joguei mas não gostei.Os gráficos e a mecânica antiga me tiraramm toda a empolgação pelo jogo, sem contar todos os diálogos que o jogo contém , com nomes complicados e interligações complexas entre os personagens.Enfim, o achei entediante , mas ainda assim queria lhe dar uma outra chance , pois é um jogo elogiadíssimo. Quem sabe, com sua análise, não me é apresentado um jogo totalmente diferente do que eu vi?

Vilas Boas disse...

Aquino!! Feliz 2014 para você e sua família, esperamos que nesse novo ano traga-nos somente coisas boas (ou a maioria delas) e ótimos jogos!

Então, como foi listado, lhe "concedi" a oportunidade de experimentar o excelente Brothers (Brothers a Tale of Two Sons), mas aqui vai mais 1 recomendação, na verdade é um reforço:

Não esqueça pelo amor dos Deuses de jogar Papo & Yo, experiência única, lúdica diria e final ímpar e marcante!

No mais, boa lista para 2014! descartaria (joguei e não gostei):

Dungeoland, Outcast

Recomendaria:

The Walking Dead (outra experiência única, lagrimas rolaram ao final da 5° episódio) e The Bridge (ótimo puzzle)

Gledson A. disse...

"No mais, boa lista para 2014! descartaria (joguei e não gostei):

Dungeoland, Outcast"

Não fala isso, Vilas Boas, senão tu faz o Eder ter um infarto!

Rs, deixando as brincadeiras de lado, desejo a você, Aquino, que o este novo ano lhe seja mais gentil.

Reforço a recomendação de Vilas Boas sobre Papo & Yo. Não ousarei dizer nada sobre o jogo novamente, acho que nenhuma de minhas palavras fará jus ao que o jogo realmente representa.

Desejo aos companheiros do Retina Desgastada, e aos transeuntes também, um feliz ano novo.

Espero estar vivo para ler a análise do Retina Desgastada sobre HL3 (apesar de todos os outros fatores apontarem para um resultado negativo nesse requisito, não é, senhora Valve?).

Enfim, Cheers!

Vilas Boas disse...

Aahahahaha, foi mal Gledson A. é que realmente não curti ambos jogos, mas cabe a máxima: Gosto é gosto e cada um tem o seu.

Aí Aquino, mais um que corrobora com a minha recomendação sobre Papo & Yo! outro cliente feliz!

Pegando ponga nos comentários alheios, espero estar vivo para ver uma análise do Fallout 4...

Marcos A. S. Almeida disse...

Vilas Boas , não cheguei a derramar lágrimas , jogos eletrônicos ainda não conseguiram fazer isso comigo , mas o final de The Walking Dead é realmente emocionante.Mas a minha crítica continua a mesma: é realmente um jogo? O conjunto da obra é de uma qualidade indiscutível , mas até o que poderia ser o ponto decisivo para definitivamente enquadrá-lo como um jogo , que são as decisões jogadas em nossas mãos , se mostram um tanto relativas , pois não vi consequências perceptíveis que mudariam drasticamente o rumo da história.Aliás , a chance de um replay , ao menos no meu caso ,é mínima , e por isso mesmo vou tentar achar gameplays com decisões diferentes das minhas pra ver se as consequências mudariam meu destino.Ou se o final muda de alguma forma.Acho que não.Isso me faz lembrar o Silent Hill:The room em que o nosso comportamento com a personagem feminina durante o jogo influencia definitivamente no final bom ou ruim dele.Infelizmente isso não fica claro durante a jogatina , o que é uma pena , mas fica evidente o poder que temos em mãos.É isso que eu espero de um jogo que nos leva a decidir questões que envolvem o futuro de terceiros e o meu.

Leonardo Vieira Domingues disse...

Poxa, colocar COD: MW como maior decepção foi foda, mas entendo seus pontos.

Pra mim ele é um dos melhores FPS ever e o melhor COD até hoje (apesar que desde o MW3 não joguei nenhum que saiu depois).

Acho que certamente é um dos jogos mais importantes dessa geração, para o bem o para o mal, ele ajudou a moldar como os jogos são.

C. Aquino disse...

Fagner, eu testei alguns minutos do Lego Batman e achei um pouco confuso para meu filho. Mas vou tentar apresentá-lo daqui uns anos, ou menos.

Ghedin, o DiRT é mais de off-road, certo? Então, acho que vou manter o GRID mesmo na lista. Papers, Please está na minha mira, mas ainda estou achando caro. Quem sabe na Winter Sale 2014 eu arremate! Também estou curioso!

Marcos, eu ESQUECI completamente do Path of Exile. O que é um claro sinal que o jogo realmente não empolgou. Joguei até sair da prisão antiga e aí desanimei. Sua descrição é precisa: arrebator, mas fugaz. Ainda tenho que escrever um (não) Jogando dele...

Vilas Boas e Gledson: Papo and Yo dá para jogar com o filho na boa ou eu devo encará-lo sozinho? Eu li que é uma metáfora para o alcoolismo e para pais ausentes, então fico com medo da execução ser meio pesada (ou confusa) para uma criança...

Leonardo, o "prêmio" Maior Decepção nem sempre para um jogo necessariamente ruim, mas para um título onde minhas expectativas tomaram um banho de água fria. Ano passado foi Borderlands e já deu um bocado de polêmica! Antes disso: Mirror's Edge e Burnout Paradise!

Marcos A. S. Almeida disse...

Bom, então eu não esquecerei:lhe cobrarei esse (não)jogando!Mas acho que vai ter que ser rápido , senão o pouco do jogo que está em sua mente se perderá!
Olhando atentamente suas 4 decepções , só têm sucesso de público! E olhando mais atentamente ainda percebe-se que o seu gosto por "campeões de bilheteria" é muito menor do que pelos " Filmes B".Eu também penso mais ou menos assim , escolhendo entre os extremamente aclamados (certeza de satisfação) ou os obscuros (quem sabe não descubro uma pérola?). Só não tive coragem ainda em apostar mais nos indies - como você faz - apesar de achar eles o melhor acontecimento dessa indústria nos últimos tempos.

Gledson A. disse...

Aquino, Papo & Yo é uma metáfora sobre um garoto que sofre com o pai alcoólico. Para fugir dessa realidade, o jovem cria uma realidade alternativa em sua cabeça onde o problema, aparentemente, tem solução. A sua jornada é essencialmente nessa realidade que se passa em uma favela desabitada mas bem "viva", construída de uma maneira que deixaria qualquer arquiteto descrente de sua física.

Não acredito que isso seja pesado para um garoto de 6 anos, a trilha sonora é magnífica e exuberante e as artes de pixação espalhadas pelas paredes da cidade são lindas, mas acredito que será bem confuso caso você não explique algumas coisas para ele (eu ainda não entendi os "flashbacks" do jogo pois não consegui encaixa-los em nenhuma possível explicação, talvez você consiga trazer alguma luz sobre essa questão quando jogá-lo?).

Enfim, acho que as chances estão mais para deixar o seu filho encantado e distraído com outras coisas além da narrativa do que chocá-lo com alguma cena imprópria. Você é que vai, provavelmente para o espanto de seu filho que não entenderá, se emocionar bastante.

=)

Bom, este é o meu parecer.

Shadow Geisel disse...

se é pra recomendar jogo premiado, que tal o Bioshock Infinite?

Vilas Boas disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Raphael AirnMusic disse...

Feliz 2014 Aquino! Ótimo ano, tanto na vida pessoal quanto na virtual e desgastada =)

Faz mileanos que eu recomendei Lands Of Lore e você podia colocá-lo na lista pra ter um rpg antigo pra variar né?

Papo e Yo parece muito interessante mesmo e eu reforço a recomendação, embora ainda não tenha jogado.

Abraços!

Ed R M disse...

Outcast! Outcast! Outcast!

Feliz ano novo :)

Eder R. M. disse...

Ah, e recomendo mto o New Vegas tb.

Grande mistura do universo de FO1/2 mais o gameplay/design do 3º.

phillip disse...

Hum...
Intão ce vai jogar jogos premiados pra caramba?
Só digo 1:
The Elder Scrolls V: Skyrim!

\o

além do fantástico Skyrim, sugiro também Planescape: Torment, que é simplesmente o melhor CRPG que já joguei na vida, mas isso aew já e criar Hype demais :D

de resto espero que você, Aquino, consiga seguir a lista, eu já tentei fazer isso várias veses, e só conseguir por em prática de um jeito eficiente este ano(2013)

Léo LMC disse...

Papo e Yo é um jogo óbrigatório entre pais e filhos. Abraços a todos.

Retina Desgastada

Blog criado e mantido por C. Aquino | Seja um patrono!

My Playstation WallpapersXbox WallpapersPC Game Wallpapers

Tooth and Tail