Retina Desgastada
Idéias, opiniões e murmúrios sobre os jogos eletrônicos
Comunidade do SteamTwitterRSS

18 de abril de 2013

Shepard Ascende

Mass Effect 3

Terminei o final original de Mass Effect 3. No dia seguinte, experimentei a versão Extended Cut, que agora se tornou cânone. Ainda que tenha gostado do final em sua primeira versão, é inegável que o barulho dos fãs acabou mobilizando a Bioware para produzir um final melhor. Ainda não tenho certeza de que toda a movimentação se justificou, mas não posso negar que o resultado é superior. Curioso notar que a nova versão tenta se instalar obrigatoriamente junto com o jogo e foi apenas uma falha no download que me permitiu jogar o final original...

Sem entrar em spoilers, eu atravessei aqueles últimos degraus da jornada de Shepard já imaginando mais ou menos o que iria encontrar. Ao invés de se refugiar na tradicional e batida batalha-com-chefe, como fez nos dois primeiros capítulos da franquia de forma burocrática, a Bioware corre para uma resolução cerebral. Não que antes você não tenha tido que abrir seu caminho com chumbo e sangue; a última hora antes do fim é desesperadora. Talvez você tenha entendido que o inimigo era um problema a ser resolvido com violência, uma vez que toda a mecânica da série é inspirada nos jogos de tiro em terceira pessoa. Mas isso seria esquecer que toda a atmosfera, e esta é a alma de Mass Effect, está no poder da escolha e em suas implicações. Como afirmei antes, no meu entendimento, o terceiro capítulo não é sobre guerra. É sobre uma força esmagadora que não pode ser contornada. É sobre evolução e vida.

Palmas para seus criadores que não me colocaram outra vez para acertar pontos específicos de um boss enquanto me movimento pelo cenário. Foi o desastre que afundou Risen.

Argumenta-se que suas escolhas são ilusórias no final por que não há um prosseguimento. Bem, não há um prosseguimento porque é o fim. A única falha, que seria se estender pouco em seu epílogo, é graciosamente corrigida com o Extended Cut gratuito. Há até explicações que julgo desnecessárias sobre a natureza do oponente e o destino do protagonista. Não precisava, a ficção-científica está repleta de finais herméticos que colocam os fãs debatendo por décadas, vide 2001, Blade Runner e até mesmo o espúrio Matrix Revolutions. E  a conclusão original nem era tão confusa assim.

Então, do ponto de vista narrativo, puramente narrativo, para mim a saga teve um desfecho satisfatório, emocionalmente ampliado com a versão estendida.

O que nos leva à impressionante lista de decisões de negócio estúpidas tomadas pela Bioware.

WTF?!

Durante o jogo inteiro, o jogador é induzido a acreditar que um determinado elemento estratégico, o Effective Military Strength, tem um valor decisivo para o final do jogo. É preciso realizar uma boa quantidade de sidequests frouxas para completar uma barra abstrata que, no frigir dos ovos, não tem tanta importância. A menos que você preencha-a completamente, o que é desgastante, as mudanças são sutis demais para serem notadas.

Para completar este valor abstrato acima do normal, você precisa se dedicar ao modo multiplayer. Em uma franquia caracterizada pela jornada solitária, bloquear opções atrás de uma jogatina compartilhada que foi descrita como bugada e limitada em seu lançamento é, no mínimo, um desrespeito. Aparentemente, o que muitos chamam de "o melhor final" só pode ser alcançado desta forma.

2013-04-12_00008 2013-04-12_00010

Não só a Bioware comercializou a transição entre Mass Effect 2 e Mass Effect 3 em um DLC e limitou um NPC importantíssimo ao DLC "From Ashes", como também escondeu fantásticas revelações sobre a natureza dos Reapers em outro DLC, "Leviathan". Ganância e desrespeito falaram mais alto outra vez e detalhes enriquecedores recebem o disfarce de "opcionais" e ganham o conturbado tratamento comercial já exibido antes.

Infelizmente, quem resolveu experimentar no final e ver o que aconteceria se tomasse decisões diferentes, se viu surpreendido com conclusões muito similares. Similares demais. Para quem se ateve ao que escolheu, tudo parece ótimo. Mas, no fundo, revela-se que tudo foi sempre um engodo, uma ilusão de escolha e que a Bioware estava o tempo todo no comando da narrativa. No último segundo, cai o cenário e você vê a mão forte do diretor. Mantivesse a magia por mais alguns minutos e teríamos um título ainda mais memorável do que já é.

Se o final original me pareceu satisfatório, a versão estendida deixou claro que, na verdade, faltou capricho. Porque ela é muito superior. Há mais paixão, há respostas para aqueles que ficaram confusos, há um desfecho melhor para personagens que nos acompanharam por tanto tempo. O fato da Bioware não ter modificado o rumo das coisas preservou sua integridade artística e eu aprovo a coragem. Ainda que as decisões de negócio acima a tenham prejudicado.

É estranho me despedir agora de Charles Shepard, depois de tanto tempo. No cabo de guerra entre Arte e Negócios, ele sai de cena arranhado.

Mas foi bom.

"Can you tell me another story about The Shepard?"

Finais Alternativos

Durante minha análise do jogo, me esforcei para não ler ou reler a opinião de outros autores sobre Mass Effect 3. Mas favoritei um punhado. Agora, estou livre para fazê-lo. E recomendo:

Ouvindo: Gerlof Leuhof - Duke Nukem Theme (Dance mix)
Seu apoio é muito importante! Ajude esse blog a crescer! Patreon

9 comentários:

Eder R M disse...

No fim das contas, o que foi realmente interessante e bem escrito na série foram as side quests, as histórias dos acompanhantes do Shepard. Porque o/a Shepard, em si é absolutamente vazio e desinteressante, e a "história" principal com esses tais de Reapers, no final das contas, contando tudo o que foi visto nos jogos e DLCs, não faz lá mto sentido. Não tem mais pequenos (e nem tão pequenos) furos e paradoxos por falta de tempo, eu presumo. Não vou entrar em detalhes quanto nesse ponto pois já gastei todas as forças que tinha para isso lendo e, ocasionalmente escrevendo, em vários sites quando terminei ME3 há meses atrás.

Aliás, apesar de no quesito qualidade do texto, pra mim o ME2 ganhar disparado na trilogia (justamente pelas quests dos sidekicks) ele é, para a série, uma imensa sidequest. Elimine ME2 da equação e a história dos Reapers não muda uma vírgula (e até fica mais coesa).

Enfim, para mim ME se resume a uma saga com coadjuvantes bem escritos (na sua maioria, alguns são horríveis, como o Jacob, que é um clichê ambulante) mas que, no esquema maior das coisas, no que tange a ser de fato um video game, é só mais um (supervalorizado, por sinal) e que, em inúmeros pontos fica devendo, e muito.

R.I.P ME Trilogy. Vai tarde. :-P

C. Aquino disse...

Eder, o mais engraçado é que concordo com 90% do que você escreveu. A história dos Reapers não resiste a uma lupa e as sidequests do ME2 são o ápice da trilogia. E Jacob é meio raso mesmo. Acho que até o James Vega tem mais conteúdo do que ele!

Supervalorizado? Não sei. Comecei a jogar em Dezembro com bastante espírito cético e cada título demorou para mostrar para mim a que veio. No final das contas, posso dizer que fui arrebatado. Mas, naturalmente, o que funciona para um jogador não funciona da mesma forma para outro.

Só peço um pouco mais de paciência e prometo que não encerrarei o blog antes de jogar Outcast! Está na minha lista...

Shadow Geisel disse...

Aquino, preciso atacar de mais um off-topic: é que estou querendo fazer uma promoção no meu blog. queria sortear um jogo e usarei os comentários dos leitores para gerar uma código e fazer o sorteio. será que esse sistema é muito fácil de fraldar? alguma sugestão de um bom sistema para o sorteio?

Edgar Menezes disse...

Sem dúvidas minha série favorita nos games, espero que vire um filme e de qualidade. Miranda Lawson deixará saudades...

Jimmy Fischer disse...

O multiplayer é jogavel.Acho que vincular esses war assets ao mp foi uma forma de incentivar o publico a jogar o mp e descobrir que ele é legal.Se você é bitolado na serie a ponto de zerar no "melhor final possivel", não deixaria de jogar o mp de qualquer maneira.

C. Aquino disse...

Shadow, se não tiver muitos concorrentes, é só pedir email ou conta de steam de cada um para identificar, atribui um número e joga em algum sistema que randomize o resultado. Tem umas soluções por aí que usam conta no Twitter também e até fazem o sorteio. Para evitar fraude, o melhor mesmo é conta no Steam, que cada um só tem uma mesmo. Mas até hoje não vi ninguém tentando...

Shadow Geisel disse...

Aquino, estamos falando do meu blog: é claro que não vai ter muitos concorrentes rsrsrs. Conta no Steam ou Twitter fica difícil pois eu teria que aprender (em um dia) como utilizar esses recursos. acho que vou pedir um email pessoal e realizar o sorteio na base das bolinhas de papel mesmo. eu sei que é tosco mas não é um sorteio oficial da megasena. os leitores vão ter que confiar no administrador do blog. muito obrigado pelas dicas e bom final de semana.

José Guilherme Wasner Machado disse...

Eu também fico feliz pela Bioware ter tido colhão e maturidade para optar por um final mais cerebral, fugindo das convenções "boss fight" do gênero. O problema é COMO ela fez isso. No caso, ignorando totalmente aquilo que é o ponto forte da série: suas amizades, seus companheiros, sua relação com eles.

Todos os momentos mais bacanas de Mass Effect envolvem a participação seus amigos. É isso que dá o peso dramático de muitas das suas decisões, e torna o jogo tão emocionante e comovente. E é isso, aliás, que faz as decisões do jogador pesarem tanto, independente das suas consequências a longo prazo ou no grande quadro geral das coisas. É que essas decisões provocam um grande payoff emocional.

Mas aí chegamos a um final que joga tudo isso pela escotilha de lixo da Normandy. Justamente a maior qualidade da série. O seu diferencial. Pois com quem vc vai dividir os momentos-chave finais, o ápice da história? Com Liara? Com Tali? Com algum dos seus companheiros mais íntimos, que lutaram, sofreram e triunfaram com vc nas últimas 150 horas somadas de jogo da trilogia? Talvez com seu relacionamento amoroso?

Não. Com Anderson.

Anderson!

Anderson, aquele cara com quem vc mal e mal conviveu na trilogia. É como se Luke Skywalker concluísse o Retorno de Jedi não com Han, Leia, R2D2 e sua gangue de amigos, mas com o Tio Owen (se estivesse vivo, claro), trazido do nada.

Isso esvazia emocionalmente o final, negando justamente aquilo que é mais forte na série. Todos os demais problemas do final seriam totalmente irrelevantes se o final trouxesse um payoff emocional à altura da série.

O final estendido, claro, alivia um pouco do problema. Não por solucionar pontos confusos ou eventuais furos de lógica, mas por inserir alguns momentos chave que aliviam a esterilidade emocional da sequência. Temos uma despedida final com nosso interesse amoroso, antes de embarcarmos para a cidadela. Mais tarde, podemos ver a tripulação lamentando o destino de Shepard. Temos flashs do futuro dos nossos amigos e/ou de suas civilizações. Isso ajuda, claro, preenche o vazio e a indiferença do final original,mas não muda o fato de que o ápice da história é vivido com um personagem que pouco ou nada significa para o jogador. E é isso que me faz lamentar, pois poderia ter sido uma conclusão inesquecível, que fizesse justiça a tudo que veio antes. Mass Effect merecia mais.

Abraços!

PS:obrigado pelo link, Aquino! :)

Gutembergue Lucas Vila Nova disse...
Este comentário foi removido pelo autor.

Retina Desgastada

Blog criado e mantido por C. Aquino | Seja um patrono!

My Playstation WallpapersXbox WallpapersPC Game Wallpapers

Regalia