Retina Desgastada
Idéias, opiniões e murmúrios sobre os jogos eletrônicos
Comunidade do SteamTwitterCanal no YouTubeRSS

21 de junho de 2020

Quarentena - Semana 14

laranjas

Na semana em que atingimos as marcas de um milhão de infectados e 50 mil mortes, nada mudou na visão da pandemia. Quem estava em quarentena, segue sem perspectiva de visualizar o final do pesadelo. Quem não estava, continua ignorando os riscos e aumentando as estatísticas. É um país sem Ministro da Saúde, sem números oficiais, sem bons exemplos na cúpula do Executivo, em que trabalhadores se aglomeram em conduções lotadas confiando em suas máscaras e socialites celebram suas vidas fazendo testes que não provam nada.

Em contrapartida, essa também foi uma semana em que outras máscaras caíram e uma infraestrutura sórdida parece dar sinais de desmoronar. Entre laranjas, fugas espetaculares, prisões, investigações e investigados, talvez consigamos parar para lutar contra o vírus.

Em uma mudança de tom abrupta, cortei meu próprio cabelo hoje .Ficou horrível. Errei o ponto na lateral e o caminho foi seguir em frente nas duas laterais. O resultado é mais punk do que jamais fui. Pena que minhas calças rasgadas tenham ido pro lixo décadas atrás.

Dos seis textos imensos que tinha para fazer em seis dias, completei quatro ao custo da minha sanidade e de sessões de jogatina com meu filho. Com esforço, termino o quinto hoje. O sexto será renegociado para o dia 25 porque ninguém é de ferro.

guild-wars-2-ranger-02

Por causa desses compromissos, Minecraft ficou intocado ao longo da semana e cresce minha desconfiança também de que o guri não se importa mais. Igual destino teve Overwatch. No pouco tempo que tivemos para jogar juntos, fizemos uma longa e bem-sucedida sessão de Guild Wars 2 (que foi parcialmente documentada no canal), além das quase obrigatórias sessões de Warframe. Camarada @jaotavio foi levemente explorado pelo guri em uma sessão de trocas de itens, mas, pelo menos, o garoto agradeceu a ajuda.

Vi Lego DC: Shazam!: Magic and Monsters com meu filho. É passável. E nada mais. Também vimos Megatubarão. É mais divertido do que eu esperava. Tem todos os defeitos que eu já imaginava, mas é bem feito.

doom-patrol

Em uma semana de escolhas nem tão boas de filmes, também iniciamos Doom Patrol. O primeiro episódio não é bom. Espero que melhore depois. Tem buracos de lógica (sério que eles ficaram DÉCADAS sem fazer nada na casa?), falta carisma e sobram palavrões e cenas de sexo. Nada contra palavrões ou sexo quando bem empregados. O uso gratuito e desnecessário, pra mostrar que a série é "edgy" ou "madura" é que cansa. Seria justamente o que um adolescente faria para mostrar que cresceu. É tipo o "fuck Batman" dos Titãs.

Ouvi dizer que melhora. Tem que puxar mais pro inusitado, pro incompreensível, esticar os limites da imaginação, como Grant Morrison fazia. Dito isso, é bom ver Timothy Dalton e Brendan Fraser de volta às telas. A caracterização visual também está perfeita, se serve de consolo. Exceto pelo Homem Negativo. A entidade deveria ser negra e não uma nuvenzinha elétrica, mas enfim...

Através do Gamerview, Summer in Mara caiu no meu colo. A primeira impressão foi fantástica: um título que tem charme transbordando por todos os lados, com personagens que dão prazer de conhecer. Com o tempo, os pequenos problemas vão se atravancando, enquanto a narrativa dá uma freada. É um título para ser explorado sem pressa, de mente aberta e com uma certa dose de paciência. Imaginei que talvez pudesse completá-lo logo, mas tudo indica que é imenso.

Legendary está no bico do urubu. Estou travado em uma batalha de chefe obtusa e desinteressante. Abro o jogo, tento por dez minutos, fecho. Será que irei removê-lo sem concluir? É quase uma maldição a esta altura: no mesmo lugar dá Área de Trabalho já passaram Magrunner: Dark Pulse, Watch Dogs, Saints Row 2 e outros que nem mesmo abri. Desde Redneck Rampage, tem sido uma sucessão de títulos abandonados ali.

Minha vontade agora é ficar em Mara, olhando para o oceano, cultivando cenouras, esperando o momento em que a bela canção recomeça. É possível que essa seja uma semana com reviravoltas.

summer-in-mara

Ouvindo: Colony 5 - Trust
Seu apoio é muito importante! Ajude esse blog a crescer! Patreon

5 comentários:

Marcos A.T. Silva disse...

É, meu caro. As coisas andam bem ruins, mesmo. Em vários âmbitos. E eu fico abismado com certas coisas que acontecem. Com gente que chega a "perder tempo" tentando ferrar com a vida de quem não faz mal a ninguém.

Fui obrigado a instalar um sistema de autenticação em dois fatores no XboxPlus, devido a alguns "problemas". Isto sem falar em outras medidas. :(

De resto, me sinto esvaído, sabe. Com tudo isso acontecendo. Cansado. Tem dias em que a vontade é de ficar prostrado.

Sorte que tenho os jogos eletrônicos, no meio desta loucura toda, para dar um certo alívio. Puxa, você também vai escrever sobre o Summer in Mara? Estou para iniciá-lo!

C. Aquino disse...

Deprime muito a situação do país. Entre acordar e me irritar, bastam 15 minutos nos TTs do Twitter ou no noticiário. É como viver trancado em outra realidade, um pesadelo em que você tenta gritar e o som não sai.

Já passei por semanas pesadas, mas o trabalho e os jogos estabelecem uma rotina confortável. E aí basta uma manchete para o sangue ferver de novo.


É osso mesmo. Mas vai passar.

Summer in Mara é lindo! Pena que não consegue manter o impacto inicial por muito tempo. A cutscene de abertura (depois que você termina o "tutorial") é a coisa mais fofa que já vi em muitos anos.

Marcos A.T. Silva disse...

Deprime demais, nos sentimos angustiados o tempo todo. E não tem nem previsão daquela "luz no fim do túnel". Eu ainda prevejo tempos piores.

Eu também tenho passado por semanas pesadas, e o que tem ajudado, como a você, é justamente o trabalho e os games.

Opa, bom saber. Devo iniciá-lo entre hoje ou e amanhã. Pena saber desses problemas sobre ele. Mas vamos ver.

Davi disse...

Cara, tá foda mesmo. Acho que a melhor maneira é nos afastarmos de redes sociais, abaixarmos nossas expectativas quanto ao rumo dessa Terra Barasilis e cuidarmos de nós mesmos. Acredito que os responsáveis por esse caos vão comer uns aos outros no fim e voltaremos para o cenário anterior. Enfim, força!

Luiz Antônio disse...

Depois de uma tentativa desastrada de cortar o meu próprio cabelo não arrisco mais. Sempre peço para a minha esposa cortar para mim.
Quanto a pandemia já passei da fase deprimente há muito tempo... Hoje sinto é raiva mesmo. Eu vivo dizendo que o problema do Brasil é o brasileiro. Todos os péssimos políticos que tivemos no passado, temos hoje e teremos no futuro não passam de um efeito colateral da burrice da maioria de nossa população. Nenhum político chegou no poder na marra. Do mais humilde vereador da cidade mais insignificante do país até o presidente da república TODOS chegaram ao poder pelo voto do povo. NENHUM enfiou o pé na porta do gabinete e assumiu o cargo pela força bruta. Pra piorar temos um sistema eleitoral que enaltece a tirania da maioria ou, se preferirem, a ditadura da maioria. Existem otimistas que dizem que democracia é assim mesmo: Que estamos sempre escolhendo o “menos ruim” a cada nova eleição num tipo de aprimoramento pelo acerto e erro mas eu não acredito nisso. O que vejo é uma grande parcela da população que simplesmente não tem a capacidade cognitiva de aprender com os próprios erros e segue errando infinitamente(atravessando gerações)...
Existem povos no mundo que tem um "teto evolutivo" muito baixo. O nosso não é o único. Provavelmente isso se deve a um conjunto de fatores que envolvem clima, colonização e localização geográfica. Antropólogos do futuro explicarão melhor porque alguns países não evoluem na mesma magnitude e velocidade do que outros. Mas acho que nem Darwin conseguiria explicar porque o neandertal se recusa a sair da caverna e abandonar a idade da pedra...
Acho que essa pandemia só revelou o quanto a maioria do nosso povo é escrota, egoísta e burra.
De minha parte só “marco” aqueles que conheço pessoalmente e se comportam de forma irracional e inconsequente para manter a distância. Inclusive depois que passar a pandemia.
É óbvio que dou o desconto para aqueles que, como eu, não puderam parar e foram obrigados por forças das circunstâncias a sair para trabalhar.
E assim sigo sendo cada vez mais anti social e ermitão. Já não era muito sociável antes da pandemia. Agora então...

Retina Desgastada

Blog criado e mantido por C. Aquino | Seja um patrono!

Minecraft Dungeons