Retina Desgastada
Idéias, opiniões e murmúrios sobre os jogos eletrônicos
Comunidade do SteamTwitterCanal no YouTubeRSS

24 de fevereiro de 2019

Tacando Petróleo na Fogueira

Mercenaries 2Um ambicioso político populista ascende ao poder em um país da América Latina após um bem-sucedido golpe militar e se mantém no poder com base em um discurso que promete dividir o petróleo, a maior riqueza nacional, com a população faminta. No seu caminho, forças militares estrangeiras dispostas a incendiar o país para destituí-lo.

Realidade? Claro que não. Estamos falando de jogos. Ou, mais especificamente, de Mercenaries 2: World in Flames, da finada Pandemic Studios. No jogo de tiro de mundo aberto, o jogador  assume o papel de um dos mercenários do título em busca de vingança em um país imaginário batizado de Venezuela.

Nesse universo ficcional, Ramon Solano trai o grupo de mercenários que o ajudou a subir ao poder, se torna o comandante supremo do país e nacionaliza as empresas petrolíferas que estavam instaladas ali, provocando a ira de interesses poderosos. Mas esse detalhe é colocado de lado diante da missão do jogador: derrubar o ditador por motivos meramente pessoais. Para isso, será necessário realizar missões de extrema destruição em um país já devastado por conflitos, jogando facção contra facção até conseguir seu objetivo final: eliminar Solano e restaurar a democracia.

Algumas vagas semelhanças com o mundo real atrapalharam os projetos da Pandemic, que foi alvo de críticas do governo de um país também chamado Venezuela. Felizmente, a empresa esclareceu o mal-entendido, explicando que "todas as pessoas, histórias e eventos são puramente fictícios e não têm relação com eventos reais. Tal como acontece com qualquer número de jogos, filmes e livros, a decisão de escolher eventos e locais interessantes é puramente concebida para contar uma história convincente, bem como fornecer uma experiência divertida e rica para o jogo".

Apesar da posição oficial cristalina, ainda assim Gunnar Gundersen, um dos fundadores da  Venezuela Solidarity Network, levantou um questionamento válido na época: "você pode imaginar se uma rica empresa venezuelana de criação de jogos, ligada aos militares e financiada por um famoso artista latino-americano, inventou um jogo em que você invade os EUA para assassinar o presidente e assumir a economia?".

Vale mencionar que a Pandemic Studios já havia desenvolvido anteriormente, sob encomenda do exército dos Estados Unidos, o jogo Full Spectrum Warrior, utilizado como ferramenta de treinamento oficial de táticas militares nos quartéis. Entretanto, a desenvolvedora negou toda e qualquer possível relação entre a produção dos dois títulos.

Mercenaries 2 - Fuck the People

Nada como o cheiro de libertação do povo pela manhã

Alheia à controvérsia, a produtora EA Games realizou uma campanha de caridade no dia do lançamento de Mercenaries 2 na Inglaterra. Um posto de gasolina na região norte de Londres foi alugado pela empresa e transformado em uma réplica de bunker militar. A partir do posto, foi distribuído de graça o equivalente a 20 mil libras em gasolina para quem quisesse encher o tanque do seu carro. O congestionamento formado por quem estava interessado em gasolina foi considerado um sucesso, uma réplica da atmosfera do jogo. De acordo com Louise Marchant, da produtora, as coisas são assim mesmo: "é ambientado na Venezuela, você joga como um mercenário e combustível é usado como moeda".

Conflict Deniep OpsPor um desses acasos do destino, a fictícia nação da "Venezuela" já tinha sido palco de outro jogo no mesmo ano de 2008.

Separado por alguns meses, Conflict: Denied Ops mostrava um roteiro bastante similar: o General Ramírez, com o apoio do exército, nacionaliza refinarias em um golpe de estado e ameaça os Estados Unidos, se a nação ianque insistir em se meter em seus assuntos internos. Dois operativos da CIA são enviados a essa tal de Venezuela em uma missão secreta (as tais "operações negadas" do título) para derrubar o ditador a qualquer custo antes que ele consiga armas nucleares. O jogador controla a dupla e o foco aqui estava mais na furtividade e sutileza do que na destruição desenfreada e catártica que viria depois.

O título foi o quinto e último episódio de uma franquia militar que já havia mostrado forças de elite norte-americanas em ação na Guerra do Golfo, na Guerra do Vietnã e contra milícias colombianas e células terroristas na Ásia. Todos eventos ficcionais sem qualquer relação com fatos ou situações históricas.

Enquanto isso, na Venezuela do mundo real, entre crises e conflitos, reais e imaginários, a indústria de jogos local luta para se manter de pé, bem longe de polêmicas. E o título mais recente e conhecido de dentro de suas fronteiras é um simulador cyberpunk de bartender inspirado em animes... mas isso é assunto para um outro dia.

VA-11 Hall-A

Ouvindo: Love & Rockets - Na American Dream
Seu apoio é muito importante! Ajude esse blog a crescer! Patreon

2 comentários:

  1. Ainda me lembro do excelente The Saboteur, também da Pandemic. Ótimo texto!

    ResponderExcluir
  2. Texto maravilhoso. Por um momento pensei estar lendo as notícias. A vida imitando a arte da maneira mais lamentável possível. Abraços, Aquino.

    ResponderExcluir

Retina Desgastada

Blog criado e mantido por C. Aquino | Seja um patrono!

Conan Exiles