Retina Desgastada
Idéias, opiniões e murmúrios sobre os jogos eletrônicos
Comunidade do SteamTwitterCanal no YouTubeRSS

15 de fevereiro de 2019

Ele Vive de Novo... de Novo!

Blood

Mais de vinte anos se passaram desde meu primeiro contato com Blood e o jogo segue me fascinando cada vez que eu o abro. E como o Mal nunca dorme, tampouco Caleb repousa. Nos últimos meses, o jogo ensaia uma merecida ressurreição.

Depois de anos de boatos e tentativas, parece que agora vai: a carcaça da Atari que ainda estava prendendo os direitos autorais do jogo finalmente autorizou que a Night Dive Studios relance o primeiro jogo em versão remasterizada para PC, incluindo suporte a Steamworks e GOG Galaxy, e talvez outras plataformas. Em um momento em que jogos FPS retrôs estão sendo lançados um atrás do outro, o horror original precisa mesmo renascer.

Enquanto o projeto oficial não emerge de sua cova, a comunidade de fãs de Blood conseguiu quebrar um segredo proibido: portar o jogo para outros motores. Embora o vetusto Build tenha cumprido sua missão com honra em tantos títulos clássicos, não há mais ninguém atualizando o antigo motor gráfico da 3D Realms, que sofre para rodar em resoluções e sistemas modernos. Portando Blood para outro motor, abrem-se as portas não apenas para computadores atuais e vindouros como também escancaram-se os portais para uma dimensão inteira de mods e novas funcionalidades.

Um destes ports é o BloodGDX, baseado em Java. Embora tenha sido o primeiro lançado (estando em modo experimental pelo menos desde 2016) e já tenha atingido estabilidade, é criticado por algumas quedas de performance (Java, né?) e, principalmente, por seu criador não ter aberto o código de sua criação, uma prática comum na comunidade de fãs.

Duke Nukem ao Resgate!

Quem espera sempre alcança e um certo NukeYKT foi além e voltou: conseguiu portar Blood para o motor Eduke32, normalmente utilizado em ports de Duke Nukem 3D. Isso significa que agora é possível rodar um magnífico jogo em um motor já conhecido, testado e modificado inúmeras vezes pela comunidade. Ou seja, o Inferno passa a ser o limite. Não apenas o motor é amplamente documentado, como o port, batizado de Nblood, teve seu código fonte liberado pelo criador. Qualquer um está livre para abrir, entender, alterar, aprimorar e contribuir para a melhoria de Nblood.

Nblood

Baixei Nblood da página de NukeYKT. Modestos 2MB que rodam o jogo com perfeição. A instalação não podia ser mais simples:

  1. Descompacte NBlood em um diretório qualquer.
  2. Copie os seguintes arquivos instalados do Blood para a pasta de NBlood:
        BLOOD.INI 
        BLOOD.RFF 
        BLOOD000.DEM-BLOOD003.DEM 
        GUI.RFF 
        SOUNDS.RFF 
        SURFACE.DAT 
        TILES000.ART-TILES017.ART 
        VOXEL.DAT
  3. Rode nblood.exe

Experimentei o primeiro mapa do terceiro episódio do jogo e, tirando uma lentidão do mouse facilmente corrigida aumentando a sensibilidade nas configurações, a jogabilidade foi exatamente como me lembrava. Esqueci apenas que portas abrindo matam instantaneamente, mas Blood não perdeu a oportunidade de avivar minha memória.

Um eventual Blood III continua tão improvável agora quanto era quinze anos atrás. Mas é bom saber que o bom e velho Caleb original continua afiado e preciso, preparado para seguir sua trilha de sangue e mortes por mais algumas décadas.

Ouvindo: Inspiral Carpets - Please Be Cruel
Seu apoio é muito importante! Ajude esse blog a crescer! Patreon

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Retina Desgastada

Blog criado e mantido por C. Aquino | Seja um patrono!

Enslaved