Retina Desgastada
Idéias, opiniões e murmúrios sobre os jogos eletrônicos
Comunidade do SteamTwitterRSS

12 de agosto de 2015

Jogando: Rayman Origins

Rayman Origins 15

Meu filho platinou Rayman Jungle Run no tablet dele. Foi o primeiro e até agora único jogo em que ele conseguiu a façanha: conquistou todas as medalhas possíveis, desbloqueou todos os níveis. Praticamente sozinho (talvez eu tenha vencido uma fase ou outra em um momento de descontração) e demonstrando uma habilidade inacreditável, além da perseverança.

Acreditei que a evolução natural dessa obsessão pelo mundo hilário de Rayman e seus saltos impossíveis estaria no PC.

Infelizmente, uma interface de toque com apenas dois botões é uma coisa e um teclado de PC com 7 funções diferentes é outra completamente diferente. Não platinamos Rayman Origins. Provavelmente jamais conseguiremos. Mas zeramos o maldito com suor, lágrimas e gargalhadas.

Rayman Origins 19Rayman Origins 22

Como já fazemos desde Billy Hatcher and the Giant Egg ou mesmo antes disso, dividimos as teclas. Aqui, ele andava e fazia os pulos precisos até o último milissegundo. A mim cabia a tarefa de apertar o botão de ataque quando necessário e o botão de acelerar. Em outras palavras, eu quase sempre ficava apenas olhando o balé de saltos, planadas, escaladas e vitórias do garoto. E derrotas também. Muitas derrotas, muita frustração, muita vontade de fazer birra e xingar os desenvolvedores da Ubisoft de "idiotas". Para respirar fundo e tentar outra vez.

Outra vez.

Outra vez.

Até atingir aquela perfeição que poucos jogos de plataforma exigem e executar a sequência perfeita, no ritmo certo, como se jogador e jogo fossem um só diante dos controles. É um estado mental único, que já comentei aqui ao falar de um filme de Tom Cruise(?!). É quase zen, você esvazia o cérebro e seus dedos sabem o que deve ser feito, no momento certo. Sei disso porque em algumas (raras) fases eu substituía meu filho no comando e precisava atingir este equilíbrio interior para triunfar.

Rayman Origins é visualmente um primor e nos traz um mundo mágico e sem sentido, que não precisa fazer sentido para cativar. A música ajuda a entrar naquela frequência cerebral, estimula algum centro obscuro dos neurônios para motivar você a tomar decisões em frações minúsculas de tempo. Você não joga, você praticamente dança, embora não seja um daqueles títulos musicais que a Ubisoft despeja todo ano.

Rayman Origins 02Rayman Origins 05

Se você veio aqui pela história, vai se decepcionar. Meu filho e eu vimos o final, revimos o início, relembramos as fases e não conseguimos chegar a uma conclusão sobre do que se trata o jogo. Tem o Rayman, tem seus aliados, tem uns negócios que você precisa juntar para desbloquear outras fases onde você vai juntar mais negócios para chegar nos subchefes, que um dia vão desbloquear o nível final. Se você tiver habilidade e juntar bastante negócios, ativa os níveis secretos. É isso. A fórmula dos jogos de plataforma elevada à sua perfeição minimalista.

A ausência de um enredo plausível aparece até mesmo na cena final, onde tudo retorna rigorosamente ao seu estado inicial. Mas, quer saber? Não faz a menor falta. O bom humor está inserido em cada pixel de cada tela e é impossível não jogar com um sorriso no rosto, mesmo sendo massacrado pela dificuldade galopante.

Foi uma jornada repleta de diversão e camaradagem. Podemos não ter conseguido aquela platina. Mas não vamos esquecer Rayman e seus amigos tão cedo.

Rayman Origins 21

 

Ouvindo: Suicide Commando - Necrophilia (live)
Seu apoio é muito importante! Ajude esse blog a crescer! Patreon

2 comentários:

Edy disse...

Caramba, jogar este tipo de jogo, com teclado e a quatro mãos é uma verdadeira façanha.

Vou jogar ele em breve, mas apenas com duas mãos e um joystick.

Gabriel disse...

Bá, eu estou zerando o legends e cara, como fã do rayman desde berço, digo que a ubi arrasou nesses...

Retina Desgastada

Blog criado e mantido por C. Aquino | Seja um patrono!

My Playstation WallpapersXbox WallpapersPC Game Wallpapers

Regalia