Retina Desgastada
Idéias, opiniões e murmúrios sobre os jogos eletrônicos
Comunidade do SteamTwitterRSS

27 de dezembro de 2014

Eu Joguei Priston Tale e Sobrevivi

Apesar de minha bem-sucedida jornada por Guild Wars 2, a minha frustrada tentativa de jogar The Old Republic me deixou tão desatinado que cometi a insensatez de jogar um desafio no Twitter: a primeira sugestão seria meu próximo MMO. O @fijikirkfiji foi rápido no gatilho e disparou "Priston Tale", fulminando a concorrência.

Priston Tale foi lançado inicialmente na Coreia do Sul no distante ano de 2001, o que o torna velho demais para competir com títulos mais recentes, ao mesmo tempo que é novo demais para receber a fama de "clássico". Se é que irá ganhar o título algum dia. Mesmo assim, apesar da idade, dos defeitos, de haver alternativas muito superiores no mercado e igualmente gratuitas, reza a lenda que ainda existe uma comunidade ativa. Segundo a propaganda no site brasileiro oficial, é "o MMORPG que mais cresce na América Latina".

Priston Tale 01

O próprio responsável pela sugestão meio que confessou que sentiu o impulso da zoeira. Que havia jogado Priston Tale na pré-adolescência e que pertencia a um passado vergonhoso. Ou algo assim. Outros falaram que era um título dominado pelo grinding, pelos cheaters, pelo desequilíbrio e praticamente abandonado pelos administradores.

Eu diria que é um MMO dominado pelo tédio.

Ainda que movido pela maior boa-vontade, a própria Hazit quase que barra minha experiência antes mesmo de começar. Priston Tale tem um dos mais burocráticos sistemas de cadastro que já vi, com múltiplas senhas que precisam ser ativadas além de uma análise prévia para "avaliar" se você merece entrar para o MMO. Não sei se tiveram problemas com hackers no passado, mas agora parecem mordidos de cobra. Além de tudo isso, existe um programa anti-cheat que abre simultâneo ao jogo. Apenas bancos perdem em termos de segurança online.

Depois de esperar três dias para meu cadastro ser aprovado, entrei no jogo. Há um grande contraste entre as artes do site e os personagens no jogo. Nas artes, você tem a impressão de que controla jovens aventureiros de 18/20 anos. Na hora da jogatina, parece que o mundo é protegido por aventureiros de no máximo 13 anos. Aos 40, sinto-me o tiozão do pavê na festa da escola.

Priston Tale 03

Escolho uma arqueira, porque sou um covarde assumido e gosto de atacar de longe. A cidade inicial é bem tranquila, mas o jogo não dá nenhum contexto para você, nenhum vídeo introdutório. Há uma breve desorientação sobre os comandos, mas, felizmente, Priston Tale é um dos RPGs mais simples que existem, podendo ser todo controlado com o mouse ou usando alguns atalhos de teclado. Depois de toda a complexidade matemática que os modernos MMOs introduziram, esse aqui é um sopro de obviedade.

Priston Tale 02

Ao sair da cidade, descubro a falha crucial do jogo: o sistema de batalha. Tenho que matar algumas "minhocas" na floresta, mas o lugar também está infestado de tatus(!) e cogumelos hostis. E o combate se baseia em clicar no alvo para acertar uma flecha.

E clicar.

E clicar.

E clicar.

E clicar.

E, sim, eu escrevi quatro vezes sem copiar e colar para marcar bem o quanto é chato. Depois de cinco cliques, o inimigo morre e larga um punhadinho de moedas. Outros seis inimigos se aproximam. Você clica, clica, clica, clica, clica, morre um. Morrem dois. Três dão respawn. É como varrer a areia da praia, mas pelo menos os pontos de experiência fluem e é bem intuitivo onde se podem aplicar os pontos de habilidade. Depois de muitos cliques, você já consegue matar os inimigos com menos cliques. É uma frase muita estranha.

Graças ao Natal, há outros tipos de monstros espalhados. Difíceis de mais para quem está no começo do jogo, mas dane-se. Um boneco de neve assassino demora uns trinta cliques para morrer. O duende natalino levou cinco cliques, sua barra de energia não se moveu um milímetro, ele derrubou metade da minha vida, fugi.

Há algo de relaxante em sua simplicidade. É como um Diablo minimalista, com uma heroína tween, tatus matadores e menos loot. Em uma destas evoluções eu ganho uma magia que convoca um falcão. A ave sobrevoa o campo de batalha e me garante um bônus de ataque. É imperceptível, mas dá uma utilidade ao botão direito do mouse.

Priston Tale 04

Outra missão mais à frente me pede para matar dez esqueletos. Agora a coisa ficou séria. É em outra área, depois da floresta. Mas cruzar a floresta é demorado, parando para enfrentar tatus e duendes. Entediado, deixo isso pra lá e tento me desviar de todos os inimigos.

O cenário dos esqueletos tem a textura mais feia do universo para chão calcinado e umas ruínas esparsas. Supostamente a rota comercial entre a cidade inicial e a vila mais próxima está sofrendo com o surgimento de alguns esqueletos. É mentira. É mentira. Tem esqueletos por todos os lados, além de zumbis, Lordes das Árvores(?), fantasmas, capetinhas e duendes natalinos. Você não consegue lutar sossegado com um sem atrair a atenção de quatro ou cinco. É uma longa dança de cliques e fugas.

Priston Tale 06

Mato os dez esqueletos que tem que matar e vou pegar minha recompensa, que, misteriosamente fica na tal vila depois de outra área. Do nada, aparece um dragão e me mata.

Do nada. Morri com um golpe.

Reapareço na cidade inicial, com a certeza de que terei de cruzar a floresta dos tatus, o deserto(?) dos esqueletos e a maldita área dos dragões antes de chegar na outra vila e pegar minha recompensa, que, agora se torna a coisa mais importante do mundo.

Nesse meio tempo já troquei de arco e equipamento algumas vezes. Uma minhoca morre com um clique agora! Que evolução! Pena que você mata uma, duas, três, reaparecem três.

Cruzo a floresta com irritação. Cruzo o deserto como um relâmpago. Entro na área dos dragões com precaução. Tem alguns dragões, guerreiros e feiticeiros por ali. Um feiticeiro faz chover meteoros. Fujo desesperado.

Morro.

Desta vez escolho reaparecer próximo, perdendo um pouco de XP e ouro. Entro de novo na mesma área, com mais cuidado ainda e, finalmente chego na vila que tinha que chegar. São dois lojistas com barraquinhas no meio de ruínas infestadas de Lordes das Árvores e Baratas Gigantes. Sério, baratas. Baratas caolhas que cospem gosma.

O ferreiro me agradece por ter deixado a estrada mais segura. "Cara, você está me zoando?", eu pergunto a mim mesmo. A estrada para cá é um Inferno, amigo. E esqueletos são o menor dos seus problemas. O prêmio são uns cristais que aumentam o poder de ataque por 500 segundos. Então, resolvo testá-los.

Ativo um dos cristais e parto para cima de um bando de Lordes das Árvores e uma Barata Gigante. Clique, clique, clique, clique, convoca o falcão, clique, clique, clique, foge que não fez diferença esse cristal idiota. Quinze minutos de cliques e ainda estou vivo. Não tenho para onde ir. Não tenho outra missão. Não tenho propósito em Priston Tale.

Foge que o duende natalino apareceu.

Fecha. Adeus.

Ouvindo: Risk of Rain - Precipitation
Seu apoio é muito importante! Ajude esse blog a crescer! Patreon

5 comentários:

Pablo Henricky disse...

Tenta jogar Tibia então...heuheuheuehuehueheu!

Gostaria muito que você continuasse, sua jornada por Meridian59, jogo pelo qual tenho muita vontade de jogar e que nunca consegui completar o cadastro, pois jamais enviam o email de confirmação, sendo que ja tentei por uns três emails diferentes.

Thiago Gianelo disse...

Eu quase joguei esse jogo na minha adolescência. Ainda bem que passei bem longe dele!!! Ahuahua

Eu cheguei a jogar Ragnarok, aliais, cheguei não, joguei muito. Antigamente era muito bacana, hoje já é ultrapassado e difícil demais, além da evolução super lentíssima. Depois de muito tempo me aventurei no Word of Warcraft, mas como era um estudante sem grana, optei por um servidor pirata... E foi uma das melhores experiências online que tive (O original deveria ser tão bom quanto). Depois de passar por muitos MMOs o ultimo que joguei e que ficou marcado foi Eden Eternal, jogo Free to Play e com muitas inovações, por exemplo, você pode ter todas as classes com um único personagem e trocar de classe quando quiser. Você pode ter sua própria casa, cada guild tem uma cidade, você tem um pet que te ajuda nas batalhas, etc... Enfim, é um excelente jogo e com muito conteúdo além de fácil de jogar e evolução ser bem rápida.

Mas como o amigo acima falou, se você quer desafio, provar a todos que é um verdadeiro sobrevivente do universo apocalíptico... Jogue Tibia! =P

estacado disse...

Aquino, tu é um guerreiro mesmo. jogar Priston Tale? haha Bom, só assim mesmo a gente descobre como são os jogos. Eu ainda voto para tu testar o Neverwinter. Abraço.

Edu disse...

Haja coragem para jogar este jogo. Sim, eu joguei ele nos idos de 2007 e 2008. Muito mais que devia. E era dominado por hackers, GMs omissos, e a empresa que administrava o jogo na época não dava muita atenção. Vez ou outra ainda procuro notícias sobre o jogo, e sempre me falam dos mesmos problemas.

Quanto ao jogo, é extremamente repetitivo. Há poucas quests a serem feitas. A graça só PVP e na disputa de clãs, eventos que deveriam acontecer durante a semana mas... várias e várias vezes são cancelados devido ao problema de hackers.

Marcel C. Da Silva disse...

Eu joguei esse jogo acho que em 2005 ou 2006, não lembro, e apesar de me queixar muito de ser bugado e afins, me divertiu bastante e até fiz amizades que duram até hoje!

Bateu uma nostalgia mas a vontade de voltar não vai voltar nunca hahahaha

Retina Desgastada

Blog criado e mantido por C. Aquino | Seja um patrono!

My Playstation WallpapersXbox WallpapersPC Game Wallpapers

Regalia