Retina Desgastada
Idéias, opiniões e murmúrios sobre os jogos eletrônicos
Comunidade do SteamTwitterCanal no YouTubeRSS

28 de maio de 2018

A Cor dos Mods

terry_pratchett

O genial Terry Pratchett deixou esse plano terreno em 2015 para se juntar à grande tartaruga que carrega nosso universo em suas costas ou algo assim. Se você está cansado da enxurrada de narrativas de fantasia que se escoram no trabalho realizado por Tolkien e repetem clichês envelhecidos, você devia ler Pratchett. Se você acredita que fantasia e humor não são temas excludentes, você deveria ler Pratchett. Se você acredita que é possível fazer humor sem usar piadas de peido ou zombar de minorias, você deveria ler Pratchett. Enfim, se você acredita que o certo é O Morte e não A Morte, você deveria ler Pratchett.

Além de um escritor de mão cheia, Pratchett também era um programador e um jogador apaixonado. Fã de títulos como Half-Life 2, Thief e o primeiro Tomb Raider, foi um RPG da Bethesda que mais o cativou: The Elder Scrolls IV: Oblivion.

O quarto título da franquia não é um dos mais populares. Não atingiu o status de cult como Morrowind, não desfrutou do sucesso arrebatador de Skyrim nem tampouco apresentava mudanças revolucionárias como Daggerfall. Mas ele apresentava, para sua época, o ápice de uma característica que a Bethesda já vinha cultivando: uma sólida e ampla comunidade de modders.

Em uma entrevista concedida a um programa de rádio em 2009, Pratchett discorreu sobre diversos temas. Nem tudo foi transmitido, mas a emissora fez a gentileza de preservar um longo trecho que não foi ao ar, onde o escritor fala sobre sua relação com os mods de Oblivion:

Matthew Peterson: Deixe-me fazer uma pergunta bônus.

Terry Pratchett: Mm hmm.

Matthew Peterson: Você gosta muito de videogames, certo? Ou jogos de computador?

Terry Pratchett: Oh! Absolutamente! Sim!

Matthew Peterson: Qual é o seu jogo de computador favorito?

Terry Pratchett: Sem dúvida, é Oblivion.

Matthew Peterson: Oblivion?

Terry Pratchett: Sim, da Bethesda. Você pode me dar algum tempo para falar sobre isso?

Matthew Peterson: Claro, sim!

Terry Pratchett: O jogo básico de Oblivion é extremamente bom. É realmente maravilhoso! Os gráficos e o som são imersivos. É em grande parte, como a maioria dos jogos de computador, dominados pelo combate. Você ganha habilidades, você sobe de nível, você luta contra os caras maus e há todos os tipos diferentes de bandidos e você faz as missões e assim por diante. Mas o que é tão magnífico, e isso aquece minha alma, é o conceito de modding de jogos, você está familiarizado com isso?

Matthew Peterson: Eu estou sim.

Terry Pratchett: Ok, em todo o universo, parece-me, tem pessoas ocupadas que aceitam os jogos e escrevem pequenos mods que aumentam o interesse de alguma forma. Eu acho isso maravilhoso! Eles escrevem esses maravilhosos mods por nada, sem dinheiro. As pessoas dizem: 'Ei, isso é um ótimo mod!' (...). O personagem que eu estou usando atualmente, ele faz dinheiro, não particularmente lutando, mas fazendo queijo e fazendo botas e ele também pode fazer seu próprio armamento. Você extrai o minério em minas, você sabe. Você tem que ir lá com sua picareta de mineração e pegá-lo e você realmente o funde. Você tem que construir suas habilidades antes de poder fazer algumas das armaduras mais pesadas. Você pode ir para o deserto e acender fogueiras. Você pode assar seu próprio pão. Quero dizer, não é isso. . . Eu não acredito que eu viva no Oblivion, mas é muito bom ver um jogo que presta atenção às realidades da vida. E há mods lá fora. . . o primeiro mod você deve levar água, mas você deve levar água de poços, ou lugares de água branca. Você não deve obter água estagnada, senão você perderá atributos. E isso não ajuda você. Mas há tantas coisas. . . meu personagem é dono de um vinhedo e sete pessoas ocupadas trabalham para ele e toda semana ele vai lá e paga e vende o vinho para o comerciante de vinhos e fica um pouco mais rico.

Oblivion - Adega

Eu apenas aprecio o fato de que neste mundo, que é bastante controlado pelo comércio, existe esse mundo interior de pessoas que dedicam seu tempo e esforço para aperfeiçoar alguns pequenos detalhes sobre um jogo de computador para o deleite de outros. Eu contei isso para minha esposa, e eu disse o quão bom o clima estava no jogo, você sabe, é imersivo, você sente que está lá. E ela disse: "Existem arco-íris?" E eu disse, acho que não, mas vou verificar. E sim, alguém se deu ao trabalho de criar um mod para o jogo Oblivion, de arco-íris. Então, se você está exatamente no lugar certo, no jogo, entre o sol e a chuva, você verá um arco-íris no céu. Aqui está um jogo com dragões, bem, sem dragões, mas com demônios e vampiros e bandidos e há arco-íris. E há um mod de jardinagem. Você pode plantar seu próprio jardim e cultivar seus próprios vegetais. Ou há mods de navegação. E alguns deles são, eu acho que a maioria a maioria deles aumenta o desfrute. Eu acredito que há alguns mods com classificação X.

Matthew Peterson: Ah não. [riso]

Terry Pratchett: Eu simplesmente não vou lá. Mas há sites inteiros cheios disso e eu acho que isso é um ofício em si mesmo e algumas coisas maravilhosas são produzidas e eu saúdo as pessoas que tomam o tempo para fazer isso por nenhuma outra razão que elas querem exercitar suas habilidades e entregá-las para a comunidade. Eu costumo escrever pequenas notas dizendo: 'cara, esse foi realmente bom, eu realmente gostei disso', ou às vezes você sabe 'que não funcionou nesse determinado pedaço'.

(...) De certo modo você pode escolher como você joga e com a adição de mods, parece não haver limites. Na verdade, fui abordado a respeito de permitir que um pequeno mod de Discworld fosse aceito.

(...) os mods lá fora são infinitos, diferentes tipos de roupas, diferentes tipos de armaduras, diferentes construções, civilizações adicionais, diferentes raças. É muito melhor manter-se afastado do jogo principal, no qual há apenas um, mas muitos jogos dentro do jogo que você pode jogar. E meio que apenas nos divertimos muito.

Pratchett também recordou de um de seus primeiros computadores e como ele literalmente modificou o dispositivo adicionando novos componentes, muitas vezes com solda. E arremeta o assunto: "vida é sobre modding. Mude sua vida!".

vilja

O envolvimento de Sir Terry Pratchett com a comunidade modder rompeu as barreiras do jogador quando o renomado autor contribuiu para a criação de Vilja, uma barda companheira para Oblivion disponível para download nos principais sites de mod para o jogo. O escritor ofereceu consultoria aos seus criadores e a personagem (sua tatatataraneta, na verdade...) acabou sendo transportada para Skyrim, em forma de um novo mod, onde ganhou nada menos que 50 linhas de diálogo criadas pelo próprio Pratchett.

Ouvindo: Eyedea and Abilities - Now
Seu apoio é muito importante! Ajude esse blog a crescer! Patreon

Um comentário:

Gledson A. disse...

Fantástico! Não sabia que ele já tinha sido programador também. E ainda por cima um amante de jogos sem preconceitos... vai deixar saudades, Pratchett.

Uma pequena observação: lembro-me Aquino que você tinha indicado pelo twitter o livro "O Fabuloso Maurício e seus Roedores Letrados", acho que em uma leitura acompanhada pelo seu filho. E que livro ótimo!

Retina Desgastada

Blog criado e mantido por C. Aquino | Seja um patrono!

Deathspank